Guerra do Ultramar: Angola, Guiné e Moçambique Automobilia Ibérica - Histórico Automóvel Clube de Entre Tejo e Sado (HACETS)

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

 TRABALHOS, TEXTOS SOBRE OPERAÇÕES MILITARES ou LIVROS

 

O encontro entre dois combatentes. Para visualização clique aqui

 

Manuel Fernandes

ex-Alferes Mil.º do Batalhão de Caçadores 1930 ((CCS, C.CAÇ 1781, C.CAÇ 1782 e C.CAÇ 1783)

 

Manuel Leal Fernandes, natural da freguesia da Bismula, concelho do Sabugal (Beira Alta), licenciado em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e em Teologia pela Universidade Lateranense de Roma (Itália), é professor efectivo do ensino secundário e sacerdote (Claretianos). Tem colaboração dispersa por vários jornais e revistas. Estas páginas, com o título de «Angola - As Brumas do Mato», resultam de uma experiência militar e humana, em Angola, durante a guerra colonial.

Contactos:

Apartado 6

Carvalhos

4416-901 Pedroso

 

Telemóvel: 967 322 579

 

E-mail: fernandes@cic.pt

"ANGOLA - As Brumas do Mato"

Autor: Manuel Leal Fernandes

Título: Angola - As Brumas do mato

ISBN: 972-97546-0-8

Depósito Legal: 117927/97

Páginas: 378

Dimensões: 22 x 15 cm

          

Clique nos sublinhados para aceder aos conteúdos

      

Índice e Imagem das páginas 69 a 76

 

 

a a a a a a a

 

 

Índice

 

 

Voltar ao topo

 

a a a a a a a

 

 

Imagem das páginas 69 a 76

 

 

 

 

-------------------------------------------------------

 

-----Mensagem original-----
De: joselessa@sapo.pt [mailto:joselessa@sapo.pt]
Enviada: domingo, 16 de Dezembro de 2007 12:27
Para: Ultramar Terraweb
Cc: fernandes
Assunto: ANGOLA - AS BRUMAS DO MATO / MANUEL LEAL FERNANDES

 

Tudo o que diz respeito a Angola, principalmente aos Ex-Combatentes me interessa, muito em especial aos relatos escritos nas zonas de intervenção por onde passei durante a minha campanha integrado na  C.Cac. 3513.

Este livro que descobri também neste site, não podia deixar de me interessar.

 

Assim pedi ao autor para mo fazer chegar. O Manuel Leal Fernandes de pronto me respondeu e combinamos um encontro nos Carvalhos, tendo a amabilidade de me oferecer 3 exemplares do livro.

 

O Manuel Leal Fernandes, foi Capelão no Batalhão de Caçadores 1930 entre 29 de Novembro de 1967 e 27 de Janeiro de 1970.

 

Uns anos mais tarde, eu andei por todo aquele vasto território em missões de serviço, por isso a minha curiosidade na sua leitura. 

 

Muitas vivencias encontrei neste livro que como diz o autor serão semelhantes a muitos de nós e na verdade encontrei muitas semelhanças na minha missão de mais de 27 meses.

 

Felizmente tive mais sorte do que as companhias deste batalhão que ao fim de 3 dias de mato já tinham mortos a registar.

 

Este é mais um livro que recomendo a sua leitura, revivemos o passado, por vezes muito duro, mas eu preciso e falar com estes Homens que como eu ainda jovens viveram dias terríveis de dor e sofrimento.

 

Falar com o Manuel Leal Fernandes, fez-me bem.

 

O Manuel é um Homem bom e com um coração enorme. A sua vida tem sido dedicada a Igreja mas é uma pessoa especial, durante o almoço aproveitamos para falar das nossas vivencias em Angola, voltamos a S. Salvador, ao Quiende, a Tomboco e a Ambrizete...foi bom reviver o passados em que as nossas vidas se cruzaram naqueles caminhos de perigo constante onde ele deixou muitos companheiros de luta, muitas ilusões desfeitas pelo silvar de uma bala traiçoeira ou de uma mina mal "desmontada" que esventrou quem se atreveu a tocar-lhe.

 

Uma Historia de vida muito bem documentada e que muitas horas foram precisas para publicar este livro.

 

Obrigado Pe. Manuel Leal Fernandes, continue a trabalhar pelo bem da sua comunidade e pela obra que tem a sua cargo. Obrigado também pelo tempo que me dispensou, para mim foi gratificante e estou certo ganhei um amigo.

 

Meu amigo será para toda a minha vida futura, curta ou longa, só Deus sabe.

 

Um abraço extensivo a todos os seus companheiros do Batalhão.

 

José Lessa

 

 

 

 

 

 

Voltar ao topo