.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Livros

Trabalhos, textos sobre a Guerra do Ultramar ou livros

Elementos recolhidos por um membro da equipa do UTW

in: facebook

 

Manuela Gonzaga

 

Manuela Gonzaga - Escritora - com mais de uma dezena de livros no mercado -, e mestre em História dos Descobrimentos e Expansão Portuguesa (FCSH da Universidade Nova de Lisboa), é investigadora associada ao CHAM (Centro História Além-Mar, Universidade Nova de Lisboa).

Natural do Porto, viveu em Angola e Moçambique uma parte da adolescência e da juventude. Durante cerca de 30 anos exerceu o ofício de jornalista.

 

É autora e coordenadora de Oficinas de Escrita, com conteúdos adequados a vários tipos de audiências.

 

O livro

"Moçambique - Para a mãe se lembrar como foi"

 

 

título: "Moçambique - Para a mãe se lembrar como foi"

autora: Manuela Gonzaga

 

Editora: Bertrand Editora

Colecção:

Data de Publicação: 06-2014

Encadernação: Capa mole - 360 páginas

Idioma: Português

ISBN: 9789722528108

Dimensões do livro: 150 x 235 mm

 

Sinopse

 

O que é que se tinha passado, e porquê? E porque é que tudo aconteceu como aconteceu? Esse trabalho começou agora a ficar concluído, pois, à medida que ajudei a levantar as névoas que ocultam o passado aos olhos da minha mãe, pude afastar algumas névoas da minha ignorância. Mas, e acima de tudo, este relato é uma grande história de amor. A nossa, da mãe e minha, e a de todos, ou quase todos, os que por ali tiveram o privilégio de passar. Uma inolvidável história de amor por Moçambique de que não queremos abrir mão, porque ninguém dispensa uma luz que, de tão forte, ainda continua a cobrir-nos de bênçãos.

 

Contracapa:

 

Que África era aquela, quando Portugal era «só um – do Minho a Timor?» Manuela Gonzaga começa por nos levar de Lisboa a Nacala numa maravilhosa travessia oceânica a bordo do paquete Império. Dali, com a família, partiu para a mais remota província da então Província Ultramarina de Moçambique, Vila Cabral, atual Lichinga, onde viveram durante algum tempo. Através da descrição dos quotidianos nas lonjuras de Niassa, depois no esbraseante calor de Tete, a seguir na Beira, e mais tarde em Lourenço Marques, Maputo, a autora revive, por dentro, toda uma época, num exercício que começou que começou por ser um lenitivo para mitigar a solidão da mãe, cujas memórias se têm vindo a dissolver inexoravelmente. Foi a própria mãe, a quem estas narrativas acordam reminiscências luminosas e felizes de tempos pretéritos no seu Moçambique adorado , que lhe pediu que as transformasse no livro que agora chega a público.

 

Manuel Gonzaga olha o passado de frente e revive-se de forma lúcida num registo empolgante e surpreendente desde o primeiro capítulo. Citando:

"E assim seguimos de Nacala para o Catur, num comboio puxado por uma asmática locomotiva a vapor, que, a passo de caracol e por uma linha férrea tão estreita que parecia feita de carris de eléctricos, subia as serras do remotíssimo Niassa, a mais despovoada província da então Província Ultramarina de Moçambique. Por vezes, os passageiros tinham de sair, para a locomotiva conseguir arrastar as composições atrás de si. Sempre que o comboio parava, a nossa cabine enchia-se de africanos que, entre risos, chegavam a mexer-nos nos cabelos. Foi então que o revisor veio pedir à nossa mãe autorização para nos trancar pelo lado de fora, por dentro não era possível, para nos poupar à curiosidade das gentes."

 

 

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo