.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Livros

Trabalhos, textos sobre operações militares ou livros

Elementos cedidos por um colaborador do portal UTW

 

 

Pedro Nuno Guilhermino Marçal Lopes

 

Pedro Nuno Guilhermino Marçal Lopes, Aspirante de Cavalaria

 

título: "A Tipologia das Unidades Mobilizadas pela Arma de Cavalaria durante a Guerra de África (1961-1974)"

autoria: Pedro Nuno Guilhermino Marçal Lopes (Aspirante de Cavalaria)


editor: Academia Militar
1ªed. Lisboa, Jul2014
119 págs (formato pdf) ilustrado

 

Para visualização do conteúdo clique no sublinhado ou nas imagens que se seguem:

 

"A Tipologia das Unidades Mobilizadas pela Arma de Cavalaria durante a Guerra de África (1961-1974)"
 

Excerto:

(págs. 54 e 55)

 

«..."Como foi o empenhamento da Arma de Cavalaria durante a Guerra de África (1961-1974), relativamente à tipologia e à quantidade de unidades mobilizadas para emprego operacional em cada um dos três Teatros de Operações (Angola, Guiné e Moçambique)?"

 

O empenhamento da Arma de Cavalaria na Guerra de África demonstrou-se bastante complexo e multifacetado, como é demonstrado no gráfico da tendo em conta que não se resumiu a mobilizar unidades "puras" de Cavalaria. O esforço de mobilização de unidades do tipo Atiradores revelou-se fundamental na contribuição da Arma de Cavalaria, sendo o tipo de unidades mais mobilizado.


Em suma, dos BCav mobilizados para os três TO, o peso relativo ao empenhamento total da mobilização da Arma representou: em Angola 26%, na Guiné 10% e em Moçambique 19%. Quanto ás CCav, estas unidades também pesaram de forma diferente no esforço da Arma. Em Angola corresponderam a 30%, na Guiné a 19% e em Moçambique 26%. No total, no que toca á tipologia Atiradores, os valores totais são bastante expressivos com semelhanças entre os TO de Angola e Moçambique. Em Angola, os BCav e CCav correspondem a 56%, na Guiné são 29%, e em Moçambique 55%.


Em termos de unidades de Reconhecimento, os ERec mobilizados na metrópole significaram 7% do total das unidades mobilizadas para a Guiné. Por outro lado, os PelRec significaram 10% em Angola, 55% na Guiné e 30% em Moçambique. No total, o tipo de unidades de Reconhecimento significou 62% das unidades mobilizadas para a Guiné. Este valor bastante considerável, uma vez que representa quase dois terços do esforço de mobilização.


Quanto ás unidades de CPM, o seu peso no empenhamento total da Arma de Cavalaria divide-se pelos TO da seguinte forma: Angola 18%, Guiné 5% e Moçambique 25%. E os PelPM representaram 16% em Angola e 4% na Guiné. No total, o tipo de unidades da Policia Militar representou 34% das unidades mobilizadas para Angola, 9% na Guiné e 25% em Moçambique. Considerando os dados apresentados pelas figuras 32, 33 e 34, e o efetivo padrão69 de cada tipo de unidade apresentado de seguida, podemos obter a proporção aproximada em termos do número de militares mobilizados, para cada TO.


• BCav: 600 militares
• CCav: 160 militares
• ERec: 120 militares
• PelRec Fox: 30 militares
• PelRec Daimler: 15 militares
• CPM: 140 militares
• PelPM: 40 militares


No TO de Angola, os BCav e as CCav destacam-se com 67% e 19%, respetivamente, de seguida as CPM representam 11% e os PelPM apenas 3%. Em termos de militares mobilizados, a componente de atiradores não tem expressão para o TO de Angola, não atingindo sequer 1%.


Relativamente á Guiné, os BCav simbolizam 53% dos militares e as CCav 26%. A componente do Reconhecimento já apresenta valores diferentes de Angola, sendo que os ERec correspondem a 7% e os PelRec a 8%. Quanto á Policia Militar, tem menor impacto neste TO que em qualquer outro, com 5% a corresponderem ás CPM e apenas 1% aos PelPM.


Quanto a Moçambique, 58% dos militares mobilizados foram integrados em BCav, e 22% em CCav. Os PelRec apenas simbolizam 2% e as CPM 18%.


No total dos três TO, os BCav e as CCav correspondem a 61% e 23%, respetivamente, os ERec a 2% e os PelRec a 1%. As CPM registam 11% do efetivo total mobilizado e os PelPM apenas 2%. Através da análise dos dados anteriores, podemos afirmar que, apesar do valor referente às percentagens de militares do tipo Atiradores, se destacar da mesma forma que na análise do número de unidades mobilizadas, o mesmo não se verifica com as unidades de Reconhecimento. Após observarmos o panorama das unidades mobilizadas pela Arma de Cavalaria para os três TO, podemos concluir que fosse em BCav ou em CCav, o esforço foi maioritariamente exercido na tipologia Atiradores.

-----------------------------------------------------

69 Valor baseado no conjunto das Histórias das unidades.

 

 

 

 

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo