Guerra do Ultramar: Angola, Guiné e Moçambique Automobilia Ibérica - Histórico Automóvel Clube de Entre Tejo e Sado (HACETS)

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

 TRABALHOS, TEXTOS SOBRE OPERAÇÕES MILITARES ou LIVROS

Informação de LC123278

João Fernandes

(O autor cumpriu serviço militar como alferes miliciano na Companhia de Caçadores 3500 do Batalhão de Caçadores 3875, inicialmente (Jan72) aquartelada em Chizampeta, cerca de 30km norte do Furancungo em plena ZOT)

 

"Mato e Morro"

“Mato e Morro” é mais um livro sobre a guerra no Ultramar. Editado pela Prefácio, é da autoria de João Fernandes, um engenheiro mecânico nascido em Lisboa mas de sangue algarvio, pois o pai é natural de Tunes – Silves e a mãe de Paderne – Albufeira. A sua infância está sempre presente no território algarvio, ainda que vivendo em Lisboa. “Este é um livro capaz de nos levar à África com que todos sonhamos, àquela que reside no imaginário de cada um. Uma África que, para quem não conhece, é imaginada com planícies a perder de vista, com aldeias aleatoriamente plantadas onde coabitam gentes seminuas e animais selvagens, perdidos naquela imensidão de espaço, longe de tudo e todos, perdidos no tempo. Por outro lado, é um livro de guerra que mistura de uma forma sublime os dois mundos, o de África e o da guerra... Uma guerra de angústia, sofrimento e revolta turvada pela paixão de a viver e pela incerteza de a sobreviver. Viver a guerra é viver cada momento, é sorver cada inebriante instante, é depositar em cada conversa, em cada pôr-de-sol, o alento de alguém que está só, perdido nas memórias de um passado longínquo, permanentemente na incerteza de ter um futuro. É um livro que nos traz estes dois mundos sob o olhar de alguém que os viveu intensamente, de alguém que sem se aperceber, se viu desterrado e armado, a defender uma terra que não sabia sua de um inimigo que nunca reconheceu como seu. Traz-nos a visão de um homem inebriado pela guerra e apaixonado por África, um homem a quem orgulhosamente chamo pai. Se numa conversa tivesse que caracterizar a sua escrita escolheria: Intensa. Se numa palavra tivesse que caracterizar a sua história escolheria: Apaixonante!”.”

 

in Jornal Regional

(Clique na imagem)

 

Livraria Esperança

 

 

 

Voltar ao topo