.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Memoriais

António Adélio Magalhães Pinto, Furriel Mil.º Vaguemestre, da CCS/BArt645

 

Nota de óbito

Elementos cedidos por um colaborador do portal UTW

 

 

Faleceu, no dia 6 de Setembro de 2011, o veterano

 

 

Magalhães Pinto

 

Furriel Mil.º Vaguemestre

 

Companhia de Comando e Serviços

 

Batalhão de Artilharia 645 «ÁGUIAS NEGRAS»

 

 

Guiné: 10Mar1964 a 09Fev1966

 

António Adélio Magalhães Pinto, nasceu no Porto.


Em 04Mar1964, tendo sido mobilizado pelo RAL1-Sacavém para servir Portugal na Província Ultramarina da Guiné, embarcou em Lisboa no NTT 'Uíge' rumo a Bissau, integrado na CCS/BArt645 como furriel miliciano vaguemestre.


Em 09Fev1966, concluída a sua comissão militar ultramarina, iniciou no NTT 'Uíge' com o seu batalhão a torna-viagem à Metrópole.

 

Paz à sua Alma.

 

O livro:

 

"Os Heróis e o Medo"

 

 

título: "Os Heróis e o Medo"
autoria: Magalhães Pinto

editor: Âncora
1ª ed. Lisboa, Mai2003
275 págs
23x14cm
preço: 19€
dep.leg: PT-195179/03
ISBN: 972-780-115-3

 

Dedicatória:


- «A uma geração sacrificada, corajosa executora de uma guerra que não desejou. Mas que não recusou, em nome do conceito de Pátria que lhe tinha sido inculcado. Por isso merecendo o apreço do seu Povo.»

 

Sinopse:

 

Não há heróis sem medo. A heroicidade não se mede pelo número de adversários mortos. Há outra heroicidade na capacidade de guardar, no meio da tragédia que é a guerra, um profundo sentido de humanidade, de solidariedade, de ausência total de racismo. Há uma outra heroicidade na capacidade de não deixar que o medo abafe a noção de que em ambos os lados de uma arma estão seres humanos.


É dessa heroicidade e desse medo que aqui se fala. É, sobretudo, no dizer do autor, uma homenagem a uma geração de portugueses extremamente sacrificada, em nome de um conceito de Pátria nela inculcado, que, todavia não discutiram. Os Heróis e o Medo é um testemunho vigoroso de um período conturbado da vida portuguesa, vivido e sentido pelo autor.


Excerto (pág.187):
 

[...]

O Manel abandonou o abrigo e, cosendo-se com os latões, rastejando aqui e correndo acolá, dirigiu-se à casa da rádio. Como lhe cumpria, o telegrafista comunicava a Mansoa estarem debaixo de fogo. O Manel deu-lhe uma palmada nas costas e subiu à torre, onde o Zé Grande, agora já com a companhia do Algarvio, do Jaime e do Reis, manobravam as quatro metralhadoras pesadas, à cadência contínua de seiscentos tiros por minuto, como vinha nos livros. O Manel tentou perceber a situação. O fogo inimigo parecia nascer do chão, não distante do arame farpado, vindo de todos os lados. Estavam cercados. Os estupores tinham vindo em grande número, desta vez. Desceu as escadas de quatro em quatro e recomendou ao telegrafista que desse conta a Mansoa da gravidade da situação. Estavam a ser atacados por uma companhia inteira, pelo menos. Saiu da casamata e voou para o abrigo, onde o Cartaxo, o Miragaia, o Píveas e o Quim despejavam, furiosamente, carregador atrás de carregador. Portugal parecia estar todo naquele abrigo, a defender-se do inimigo.

 

A situação piorava. Ou eu estou enganado, ou os filhos da puta já estão no intervalo entre as duas fieiras de arame farpado que defendem o forte, murmurou o Manel. Na torre, duas metralhadoras estavam caladas. Usem isso, bastardos! Raio de gente! Era necessário construir uma barreira de chumbo entre os guerrilheiros e os abrigos ou não tardariam a ser apanhados à unha. Voltou à torre. Aqueles gajos estavam a precisar de um empurrão. Ainda ia nas escadas, quando ouviu o fragor do rebentamento de um roquete mesmo por cima de si. Rompeu os pedaços de tijolo que intentavam soterrá-lo. Metade da cobertura da torre tinha desaparecido, levando consigo a antena de rádio e uma das metralhadoras. Bonito! Se em Mansoa não se tivessem apercebido já da situação, enviando reforços, as coisas iam piorar. Porque não disparavam aqueles gajos lá em cima? No escuro, viam-se, rubros, os canos das metralhadoras. Duas delas encravadas pelo calor gerado. Usando as mãos nuas, o Algarvio tentava desesperadamente substituir o cano da sua, indiferente ao cheiro de carne assada emprestado ao ar em redor pela sua pele. Conseguiu. Arremessou o cano dilatado para longe e introduziu um novo na boca da culatra. O Manel agarrou-se à arma e vomitou projécteis em profusão, enquanto o [...]

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo