.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Livros

 

 

Manuel Amaro Bernardo

 

Coronel de Infantaria (na reforma) / Escritor

 

Nota biográfica

 

"Moçambique - Guerra e Descolonização

1964-1975"

(1.ª e 2.ª edição)

 

 

Apresentação do livro:

 

Para visualização do conteúdo clique no sublinhado que se segue:

 

"Moçambique - Guerra e Descolonização; 1964-1975"

(2.ª edição)

 

De: Manuel Amaro Bernardo
 

- Apresentado no Programa Fim do Império (Liga dos Combatentes, Comissão Portuguesa de História Militar e Câmara Municipal de Oeiras), em Oeiras, em 15-05-2018.

 

 

O livro:

 

título: "Moçambique - Guerra e Descolonização; 1964-1975" - 2.ª edição

autor: Manuel Amaro Bernardo

 

ISBN: 978 972 780 645 4

edição: 2.ª (revista e actualizada) Maio de 2018

páginas: 384

preço: 20,00 €

 

aquisição: «Âncora - Editora»

 

(…) Quando surge a revolução, em que um movimento das Forças Armadas diz basta e a população portuguesa aplaude dizendo já chega, é tarde para controlar as consequências catastróficas de uma descolonização não planeada que deu origem a um cessar-fogo descontrolado, a um abandono da população branca evitável e a duas guerras civis prolongadas e destruidoras, nos países que acabavam de se tornar independentes.

Mas é importante verificar o tempo e as condições que foi necessário estabelecer para, nas guerras civis de Moçambique e de Angola, se chegar aos acordos de paz. E até que os mesmos fossem finalmente assinados nunca nenhuma das partes abdicou de manter activos os seus vectores militares no terreno. (…)
 

General Joaquim Chito Rodrigues
Presidente da Liga dos Combatentes
do Prefácio

ÍNDICE:

 

  Nota prévia                                                                                 7
     
  Exórdio de t.-general Chito Rodrigues 9
     
  Prefácio da 1.ª edição (Prof Adriano Moreira)                                       15
     
  Poema de t.-general Chito Rodrigues                                             17
     
  Poesia de coronel José Caniné                                                                  18
     
  Poema de Manuel Portugal 1977 (Algarve)                                             19
     
  Introdução                                                                                                    21
     

 

1. Antecedentes                                                                                           

25

 

2. Guerra no Norte e na Zambézia                                                          

35

 

3.Testemunho do bispo D. Eurico Dias Nogueira                                

49

 

4. Uma Companhia em Cabo Delgado (1966-67) testemunho de

capitão mil.º Paul Muller           

59

 

5. Niassa – Sucesso parcial da Contra-Guerrilha                              

71

 

6. Repórteres de Guerra                                                                          

87

 

7. Testemunho m.-general paraquedista Rafael Durão                    

99

 

8. Vida e Morte de Mondlane                                                                 

113

 

9. Testemunho t. coronel comando Ribeiro da Fonseca                     

123

 

10. Cabora Bassa e a 3.ª Frente da FRELIMO                                      

135

 

11. Testemunho coronel paraquedista Costa Campos                          

145

 

12. O Misterioso caso Angoche                                                                 

157

 

13. Testemunho capitão-mar-e-guerra Sérgio Zilhão                           

171

 

14. Os “comandos” (e GEs/GEPs) em Moçambique                             

183

 

15. FRELIMO em Manica e Sofala                                                          

197

 

16. Testemunho m.-general comando Jaime Neves                             

209

 

17. A Propaganda na Guerra                                                                      

217

 

18. Testemunho t.-general comando Júlio Oliveira                              

229

 

19. Os “comandos” Marcelino da Mata, Caçorino Dias e Sousa Gonçalves

e dados sobre a Guerra em Moçambique  

241

 

20. Moçambique depois de Abril de 1974                                               

263

 

21. Testemunho tenente miliciano M. Gomes dos Santos                    

299

 

22. 7 de Setembro                                                                                         

311

 

23. Testemunho coronel comando Glória Belchior                                

333

 

24. A «Descolonização» apressada...                                                        

339

 

25. Testemunho do alferes mil.º Luís Rosa                                             

359

     
  Considerações Finais                                                                                    369
     
  Bibliografia                                                                                                     377
     

 

------------------------------------------------------------------

 

Convite:

 

A Liga dos Combatentes, Câmara Municipal de Oeiras, Comissão Portuguesa de História Militar, Programa Fim do Império e Âncora Editora têm o prazer de a / o convidar para o lançamento do livro (2.ª edição):

 

"Moçambique - Guerra e Descolonização - 1964-1975"

de Manuel Amaro Bernardo

 

A obra será apresentada pelo General Comando Júlio Faria Ribeiro de Oliveira

 

A sessão terá lugar no dia 15 de Maio [2018], terça -feira, às 15:00 horas, na Livraria / Galeria Municipal Verney, Rua Cândido dos Reis, 92, Oeiras

 

 

 

------------------------------------------------------------------

 

"Combater Moçambique - Guerra e Descolonização - 1964-1975"

(1.ª edição)

 

"(...) Também por esta circunstância tem importância que se proceda à recolha das memórias dispersas dos que gastaram a vida nas acções, tantas vezes distanciados das suposições dos projectos, longe do registo que acompanha a percepção oficializada dos acontecimentos, e ajudando a dar consistência à leitura dos arquivos quando finalmente abertos à indagação e à crítica.

(...) "A vida real de quem por regra não escreve memórias, por vezes decide que é mais indicado perder a lembrança, ou assume precipitadamente a inutilidade da parcela que lhe pertenceu na gesta colectiva.

"É para minorar o desperdício dessas humildades e silêncios que muito contribuem as buscas pacientes como as que absorvem a dedicação do autor."

 Professor Adriano Moreira, in "Prefácio"

"(...) Menos de 30 anos depois, as guerras em África não são apenas um assunto do século passado como parecem, muitas vezes, estarem mergulhadas no abismo do esquecimento. É por isso bem no fundo das suas memórias que militares, como Manuel Amaro Bernardo, coronel de Infantaria na reforma, vão buscar a recordação dos seus dias de combatentes para dar conta do que viveram e faz indispensavelmente parte da História de Portugal.

"(...) O livro "Combater em Moçambique" (....) pauta-se por preocupações de rigor histórico e científico, dentro das possibilidades em termos de documentação, alguma ainda reservada. (...)"

João Vaz, in "Correio da Manhã" de 4-5-2003

(...) O livro de Manuel Bernardo "Combater em Moçambique; Guerra e Descolonização; 1964-1975", lança novas pistas sobre o assassínio de Eduardo Mondlane, fundador e organizador da FRELIMO. Manuel Bernardo argumenta que foi a mão de Casimiro Monteiro, subinspector da PIDE - o autor material do homicídio de Humberto Delgado, que enviou a carta armadilhada que haveria de liquidar o líder africano em 1969. Mas deixa também pistas, nem todas inéditas, sobre o envolvimento dos serviços secretos de outros países.

Sobre o navio mercante "Angoche" que transportava material de guerra para as Forças Armadas Portuguesas e (onde uma bomba) explodiu no alto mar, em 1971, o autor suspeita de uma "operação combinada", um atentado que terá envolvido o PCP, através da ARA, e um submarino soviético. (...)

Carlos Ferreira Marques, in "Independente" de 6-6-2003

(...) O trabalho é complementado com depoimentos de ilustres combatentes:Tenente-General Júlio Oliveira (ex-Presidente da Liga dos Combatentes); os "comandos" Coronel Jaime Neves e Tenente-Coronel Ribeiro da Fonseca, ambos condecorados com a Torre e Espada; os Páras Major-General Rafael Durão e Coronel Costa Campos e ainda o controverso Arcebispo de Braga (ex-Bispo de Vila Cabral), D. Eurico Dias Nogueira.

In "O Algarve" de 27-7-2003

 

-----------------------------------------

 

Depoimento do Tenente-Coronel Ribeiro da Fonseca:

in: "Combater em Moçambique - Guerra e Descolonização 1964 - 1975"

"...

Combater em Moçambique

Nesta altura, as ordens em Cabo Delgado eram para limpar tudo o que aparecesse pela frente. Ao mesmo tempo, no Niassa, já era complicado matar fosse o que fosse... Por vezes apareciam militares incríveis, como um ten-coronel, comandante de batalhão, que afirmava ser preferível a morte de dois soldados do que lhe "estamparem" uma viatura... Depois foi bastante ferido numa mina e os soldados foram visitá-lo ao hospital, recordando-lhe tais afirmações.

Após a estadia de um mês no Namialo, voltámos a Cabo Delgado, desta para vez para Diaca (em Março). A FRELIMO colocava minas nas picadas e fazia emboscadas e, nomeadamente no itinerário Mocimboa da Praia/Diaca/Mueda, que era a linha de rebastecimento da maior parte das tropas sediadas no planalto dos macondes. As colunas eram sistematicamente atacadas e, na baixa da Sagal, as minas muito frequentes.

Quando fomos para lá, ouvíamos dizer que era proibido fazer o designado fogo de reconhecimento. No entanto, nas nossas colunas, as viaturas pareciam autênticos carros de assalto. Só à minha conta usava três armas: uma pistola metralhadora Uzy, uma Breda em cima da viatura e a pistola de 9 mm. Também se utilizavam granadas de mão e de morteiro. Assim, os guerrilheiros não se atreviam a atacar-nos.

Estivemos em Diaca cerca de dez meses e apenas sofremos um morto em combate, apesar de termos sido alvo de três ataques ao aquartelamento da companhia. Tínhamos bastante actividade, reagimos bem e até chegámos a ir a bases da FRELIMO. Foi lá que se me deparou com a maior base de sempre, com portaria, porta d'armas, postos de sentinela ligados com guisos e palhotas, com portas e janelas, todas ordenadas e numa grande extensão. Até encontrámos uma tabuleta dizendo: "Hoje há instrução de morteiro". Como houve quebra de surpresa com a aproximação, todos fugiram para o mato e, no regresso ao quartel, acabámos por sofrer duas emboscadas e o capitão, que veio ao nosso encontro, desmanchou mais duas...

De novo em Moçambique...

Quando regressei à metrópole, ofereci-me para frequentar o COM, em Mafra, que era facilitado a quem já tivesse uma comissão com boa informação. Depois fui mobilizado para Angola, para o comando de um agrupamento (sector) mas, fazendo uma troca, acabei por seguir com a C. Caç. 1671 (B. Caç. 1907), comandada pelo Capitão miliciano Rodrigues da Silva, para Massangulo, no Niassa, 92 Km a sul de Vila Cabral. Era comandante de pelotão mas quando ia para a actividade operacional, levava um grupo de combate (20 homens).

..."

-----------------------------------------

 

SUMÁRIO:

Prefácio

Introdução

I - Antecedentes

II - Guerra no Norte e na Zambézia

III - Uma Campanha em Cabo DElgado (1966-1967)

IV - Niassa - Sucesso Parcial da Contra-guerrilha

V - Repórteres de Guerra

VI - Vida e Morte de Eduardo Mondlane

VII - Cabora Bassa e a 3.ª Frente da FRELIMO

VIII - O Misterioso Caso Angoche

XIX - Tropas Especiais Moçambicanas

X - FRELIMO em Manica e Sofala

XI - A Propaganda na Guerra

XII - Outros Aspectos da Guerra

XIII - Moçambique depois de Abril de 1974

XIV - O 7 de Setembro

XV - A "Descolonização" Apressada

XVI - Distúrbio Pós-Traumático do Stress

XVII - Considerações Finais

Depoimentos de Combatentes

Cronologia

Bibliografia

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo