Guerra do Ultramar: Angola, Guiné e Moçambique Automobilia Ibérica - Histórico Automóvel Clube de Entre Tejo e Sado (HACETS)

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

 TRABALHOS, TEXTOS SOBRE OPERAÇÕES MILITARES ou LIVROS

Informação de LC 123278

Manuel Marques José

 

"Pela Pátria, esta Missa de Finados"

Crónicas da Guerra de África

 

in: http://www.geocities.com/heartland/garden/4462/pelapatria.htm

 

O enredo desenvolve-se em dois planos, um, o da Guerra de África, um pequeno destacamento do Exército Português algures a sul de Gago Coutinho, Angola; outro, a aldeia abandonada do alferes Bebiano, personagem principal da obra.

    A guerra que Portugal travou contra potências estrangeiras poderosíssimas que cobiçavam parcelas da nossa nação e cuja ofensiva se consubstanciava nos designados «movimentos de libertação» é aqui retratada com máxima perfeição e maestria, com uma exactidão por vezes brutal e ao mesmo tempo bela. Aliás, como todo o livro, belíssimo, por vezes, com páginas do melhor que se pode ter em literatura, e outras, de uma brutalidade que diríamos demasiada, não fosse essa a forma porventura melhor de traçar factos duríssimos, de desmistificar realidades miseráveis.

    A obra começa com o alferes Bebiano a entrar no cemitério da sua aldeia, a persignar-se diante do seu túmulo. Depois, são as memórias da guerra, as memórias da sua aldeia que já não existe, massacrada na urgência do chamado «progresso».

    Poderemos, metaforicamente, entender a sua aldeia como Portugal. Portugal abandonado, traído, vendido, morto; e portugueses e portugueses, de todas as raças, nos mais diversos cantos do mundo, também abandonados, traídos, vendidos, mortos aos milhões - e daí uma missa de finados, pela Pátria!

    E a obra acaba no mesmo cemitério, enquanto, entre as ruínas da igreja, o padre Henrique celebra uma missa de finados e o narrador se pergunta se deve guardar todos os sonhos que se foram alinhando ao longo do livro.

    Uma obra pois recomendável e não resistimos a transcrever a contracapa:

    «Naqueles dias, naqueles lugares de Angola, era a guerra. Pela Pátria. Um quotidiano de sacrifícios, de pequenas alegrias, de recordações que se erguiam a cada momento. E de morte.

    Neste livro, conta-se a história de um pequeno destacamento militar, algures a sul de Gago Coutinho. Aqui se fala do capitão Ramos, oficial de carreira; do alferes Bebiano, licenciado em Filosofia; do sargento Pinto, em segunda comissão de serviço; do furriel Marques, que trazia sempre consigo o pai e a mãe cegos, a pedirem esmola numa rua de Alcântara; do soldado Américo António, das serras da Lousã, que nunca tinha visto o mar até ao dia em que embarcou no Niassa; do soldado Abreu que se perdia em longos diálogos com o seu menino que mal falava ainda, lá longe, na Metrópole; do agente Moura da PIDE; de elementos do MPLA aprisionados que forneceram informações para a destruição de uma base na Zâmbia.

    No regresso, o alferes Bebiano encontra a sua aldeia abandonada e, em vão, procura os que deixara, por entre as brumas de dias massacrados de amargura, o cemitério cheio de ervas daninhas, a igreja em ruínas onde, feericamente, o padre Henrique celebra uma missa de finados, a casa do tio António destruída e as estantes sem livros, a sua casa.

    Este é um livro de memórias e de sonhos, de angústias, por vezes violento.»

    A crítica tem sido bastante favorável.

                 Joaquim Dias Teixeira

PELA PÁTRIA, ESTA MISSA DE FINADOS

Crónicas da Guerra de África

Romance

Manuel Marques José

Nova Arrancada, Lisboa, 1999

 

 

 

Voltar ao topo