.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

 

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Falecimento

António Ivo do Nascimento Viçoso, Coronel de Infantaria 'Comando'

 

"Pouco se fala hoje em dia nestas coisas mas é bom que para preservação do nosso orgulho como Portugueses, elas não se esqueçam"

 

Barata da Silva, Vice-Comodoro

 

HONRA E GLÓRIA

e

nota de óbito

Elementos cedidos por um

colaborador do portal UTW

 

Faleceu, no dia 27 de Janeiro de 2008, o veterano

 

António Ivo do Nascimento Viçoso

Coronel de Infantaria 'Comando'

na situação de reforma

 

Angola - Jul1964 a Ago1966:

Comandante de Pelotão da

Companhia de Caçadores 686

«ONDE A LUTA É MAIS ACESA»

 

Conclui o 3.º Curso de Comandos do

Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola

«AUDACES FORTUNA JUVAT»

 

Oficial Instrutor do

Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola (4.º e 5.º Cursos de Comandos)

«AUDACES FORTUNA JUVAT»

 

 

Moçambique - 1967 a Abr1970:

Comandante de uma

Subunidade de Infantaria da Guarnição Normal da Região Militar de Moçambique

 

Comandante da

10.ª Companhia de Comandos

«A SORTE PROTEGE OS AUDAZES»

 

Oficial Instrutor do

Batalhão de Comandos de Moçambique (1.º Curso de Comandos)

«A SORTE PROTEGE OS AUDAZES»

 

 

Timor - 1975 a 1976:

Comandante do

Agrupamento de Cavalaria de Fronteira (Bobonaro e Atambua)

 

Cruz de Guerra de 1.ª classe

 

 

António Ivo do Nascimento Viçoso, Coronel de Infantaria ‘Comando’, nascido no dia 19 de Maio de 1939, na freguesia da Fuseta, concelho de Olhão.


Em 29 de Janeiro de 1962 cadete-aluno da Academia Militar (AM) «DULCE ET DECORUM EST PRO PATRIA MORI», promovido a Aspirante-a-Oficial de Infantaria (n/m 51405811) e colocado na Escola Prática de Infantaria (EPI – Mafra) «AD UNUM» para efeito de tirocínio;


Em 29 de Julho de 1962 conclui o tirocínio, sendo promovido a Alferes com a especialidade "Oficial de Infantaria (B)";


Em 18 de Janeiro de 1963 transferido para o Centro de Instrução de Sargentos Milicianos de Infantaria (CISMI – Tavira) «E DO MAIS NECESSÁRIO VOS PROVEJA»;


Em 14 de Outubro de 1963 colocado no Regimento de Infantaria 10 (RI10 – Aveiro) «UBI HONOR, GLORIA» - «SENTINELA DO VOUGA»;


Em 23 de Janeiro de 1964 regressa à Escola Prática de Infantaria (EPI – Mafra) «AD UNUM»;


Em 4 de Maio de 1964 novamente colocado no Regimento de Infantaria 10 (RI10 – Aveiro) «UBI HONOR, GLORIA» - «SENTINELA DO VOUGA»;


Em 9 de Julho de 1964, tendo sido mobilizado pelo Regimento de Infantaria 2 (RI2 – Abrantes) «EXCELENTE E VALOROSO» para servir Portugal na Província Ultramarina de Angola, embarca em Lisboa no NTT 'Vera Cruz' rumo ao porto de Luanda, como comandante de pelotão da Companhia de Caçadores 686 (CCac686/RI1) «ONDE A LUTA É MAIS ACESA»;


Em 24 de Julho de 1964 promovido a Tenente (contando antiguidade a partir de 1 de Dezembro de 1964);


Em 1 de Setembro de 1964 inicia no Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola (CIC/RMA) «A SORTE PROTEGE OS AUDAZES» o curso de comandos;


Em 3 de Fevereiro de 1965 conclui o 3º curso de comandos ministrado pelo Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola (CIC/RMA) «A SORTE PROTEGE OS AUDAZES»;


Em 22 de Abril de 1965 transita para a situação de adido, por ter sido nomeado para desempenhar uma comissão de serviço militar no Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola (CIC/RMA) «AUDACES FORTUNA JUVAT»;


Em 9 de Junho de 1965 integra o corpo de oficiais instrutores do 4º curso de comandos;


Em 29 de Julho de 1965 promovido a Capitão;


Em 30 de Junho de 1966 integra o corpo de oficiais instrutores do 5º curso de comandos;


Em 23 de Agosto de 1966 regressa à Metrópole e ao Regimento de Infantaria 2 (RI2 – Abrantes) «EXCELENTE E VALOROSO»;


Em 3 de Novembro de 1966 colocado na Repartição de Oficiais da Direcção do Serviço de Pessoal do Estado Maior do Exército;


Em 20 de Outubro de 1967, tendo sido nomeado como supranumerário para servir Portugal na Região Militar de Moçambique, embarca em Lisboa a fim de comandar uma subunidade de infantaria da guarnição normal daquela Região Militar;


Em 11 de Abril de 1968 assume o comando da 10.ª Companhia de Comandos (10ªCCmds) «COBRAS» - «A SORTE PROTEGE OS AUDAZES»;


Em 27 de Setembro de 1969 cessa funções na 10.ª Companhia de Comandos (10ªCCmds) «COBRAS» e fica colocado no Batalhão de Comandos de Moçambique (BCmdsM) «A SORTE PROTEGE OS AUDAZES»;


Em 13 de Abril de 1970, sendo oficial instrutor do 1º curso de comandos ministrado em Montepuez, conclui a sua comissão na Região Militar de Moçambique (RMM) e regressa à Metrópole, ficando colocado na Repartição do Ministro do Exército;


Em 27 de Novembro de 1970 agraciado com a Cruz de Guerra de 1ª classe, por distintos feitos em combate:


Capitão de Infantaria, Comando
ANTÓNIO IVO DO NASCIMENTO VIÇOSO
 

10ªCCmds - RAL1
MOÇAMBIQUE
 

1.ª CLASSE
 

Transcrição da Portaria publicada na Ordem do Exército n.º 24 – 2.ª série, de 1970.


Por Portaria de 27 de Novembro de 1970:


Condecorado com a Cruz de Guerra de 1.ª classe, ao abrigo dos artigos 9.º e 10.º do Regulamento da Medalha Militar, de 28 de Maio de 1946, por serviços prestados em acções de combate na Província de Moçambique, o Capitão de Infantaria, António Ivo do Nascimento Viçoso, da 10.ª Companhia de Comandos - Regimento de
Artilharia Ligeira n.º 1.


Transcrição do louvor que originou a condecoração.


(Por Portaria da mesma data, publicada naquela Ordem do Exército):


Louvado o Capitão de Infantaria, António Ivo do Nascimento Viçoso, porque, no comando da sua Companhia, na Região Militar de Moçambique, em Sector de grande actividade subversiva, ao longo de toda a comissão, obteve da sua Subunidade excelente rendimento nas numerosas operações em que tomou parte, elevando-a a posição de muito relevo entre as Subunidades de intervenção que actuaram no Sector.


Perfeitamente integrado no espírito das directivas superiores, mentalizou e instruiu o seu pessoal, que atingiu um nível técnico dificilmente ultrapassável e notável espírito agressivo, um e outro estimulados pela sua calma, determinação, coragem, ponderação e valentia, que o faziam presente em todos os locais onde existisse perigo.


Entre as várias operações que mereceram frequentes referências elogiosas dos comandos superiores salientam-se as: "Mouzinho", "Aurora 2", "Aurora 6", "Esquilo 2" e "Esquilo 5", em que a sua perspicácia e rapidez de decisão mais se evidenciaram, dirigindo pessoalmente os ataques e a exploração do sucesso, sem se furtar a quaisquer riscos.


Esta actividade operacional frutificou em mais de duas centenas de capturados, de preferência à mão, apreensão de importante e numeroso material de guerra e na desarticulação do inimigo que, além de sofrer elevadas baixas, viu destruídas importantes bases como a de "Nampula", "Gungunhana", "Inhambane", "Maputo", "Pemba" e "Manica".


Oficial valoroso, mas extremamente modesto e muito correcto, observador atento, os seus serviços merecem ser apontados à consideração pública como exemplo das qualidades de guerreiro, abnegação e sobriedade, características do Soldado português.

 

Na manhã do dia 10 de Junho de 1971, condecorado no Terreiro do Paço perante tropas em parada;


Em 1 de Setembro de 1971 transferido para o Estado Maior do Exército, por ter sido nomeado para frequentar o curso geral de estado-maior;


Em 31 de Julho de 1972 conclui no Instituto dos Altos Estudos Militares (IAEM-Pedrouços) «NÃO HOUVE FORTE CAPITÃO, QUE NÃO FOSSE TAMBÉM DOUTO E CIENTE» o curso geral de estado-maior;

 

No final de Novembro de 1974, entretanto promovido a major, indigitado para comandar o Centro de Instrução de Comandos da Região Militar de Angola (CIC/RMA), mas pouco antes de embarcar foi anulada a sua nomeação;


Em 25 de Março de 1975, tendo sido nomeado por escolha para servir Portugal na Província Ultramarina de Timor, assume em Bobonaro o comando do Agrupamento de Cavalaria de Fronteira;


Em 27 de Agosto de 1975, por ordem do governador Lemos Pires, desloca o acantonamento militar de Bobonaro para a vila fronteiriça de Atambua;


Em 3 de Setembro de 1975 aprisionados pela UDT (União Democrática Timorense), que seguidamente os entrega à tropa invasora indonésia;


A partir de 25 de Setembro de 1975, com todos os demais 22 militares portugueses do ex-ACF (ex- Agrupamento de Cavalaria de Fronteira), fica confinado ao anexo da arruinada igreja da antiga missão católica em Atapupo;


Em 28 de Julho de 1976 desembarca no Aeródromo Base n.º 1 (AB1 - Figo Maduro), vindo de Bali com todos os demais compatriotas.


Faleceu no dia 27 de Janeiro de 2008, como coronel de infantaria 'comando' na situação de reforma.


A sua Alma repousa em Paz

 

--------------------------

 

10.ª Companhia de Comandos
 

Identificação:
10.ªCCmds
 

Unidade Mobilizadora:
Regimento de Artilharia Ligeira 1 (RAL — Lisboa)
 

Comandantes:
Capitão de Infantaria ‘Comando’ Eduardo da Silva Fernandes Magueijo
Tenente de Cavalaria ‘Comando’ Luís Alberto Santos Banazol
Capitão de Infantaria ‘Comando’ António Ivo do Nascimento Viçoso
 

Divisa:
"Cobras"
 

Partida:
Embarque no dia 7 de Dezembro de 1967; Desembarque no dia 1 de Janeiro de 1968
 

Regresso:
Embarque no dia 6 de Dezembro de 1969
 

Síntese da Actividade Operacional
Desembarcou em Porto Amélia, no dia 1 de Janeiro de 1968.


Com curtos períodos de repouso em Porto Amélia, desenvolveu intensa actividade operacional numa vasta área do distrito de Cabo Delgado.


Montou base em várias localidades, a fim de efectuar operações, nomeadamente as indicadas.


 

  Local / Base Período

Operações

Região / Zona

CABO DELGADO Sagal a) De 2 de Janeiro a 18 de Outubro de 1968 Pesquisa Nancatari
Flecha b) Nancatari
Víbora Mouzinho c) Chindorilho
Giboia d) Entre Muatide e o rio Muera
Águia Real Entre Muatide e o rio Muera
Águia Vermelha e) Nascentes do rio Muera, Monte Ungulé e confluência dos Rios Nambole e Homba
Titan f) Muidumbe
Vampiro g) Rio Mutamba
Despedida h) Diaca
Mocímboa da Praia De 4 de Novembro a 3 de Dezembro de 1968  Gavião 1 Margens do rio Muera
Gavião 2 Entre os rios Nango e Bandaze
Gavião 4 Sul da picada Mocímboa da Praia - Diaca
Mucojo De 16 a 31 de Dezembro de 1968 Urano 1 Imediações da lagoa de Litamanda
Urano 2 Nascentes dos rios Nambidge e Natumbile (Serra do Mapé)
Mocímboa da Praia De 3 de Fevereiro a 6 de Abril de 1969 Lacrau 3 Vales dos rios Muera e Muenguede
Lacrau 4 Nambude
Lacrau 5 Imediações do lago N'Guri
Vulcão 1 Imediações da lagoa Coia
Macomia De 1 de Maio a 3 de Junho de 1969 Águia Negra 1 Norte da estrada Macomia - Cruz Alta
Águia Negra 2 Nascentes do rio Muacamula
Mueda De 4 a 13 de Junho de 1969 Zeta i) Margem Sul do rio Rovuma a Norte de Mocímboa do Rovuma
Chai De 16 a 20 de Julho de 1969 e de 24 de Julho a 29 de Agosto de 1969 Esquilo 1 Chai
Esquilo 3 Norte do rio Liucué
Esquilo 6 Norte do rio Liucué
Macomia De 31 de Setembro a 15 de Novembro de 1969 Aurora 1 Nhongolo
Aurora 4 Serra do Mapé
Aurora 5 Imediações do lago Nhange
Aurora 6 j) Oeste de Mataca

 

a) De 2 a 31 de Janeiro de 1968, efectuou treino operacional.


b) Ficou gravemente ferido o Comandante da Companhia devido ao accionamento de armadilha.


c), d), e), f), g), h), i) Participou.


f) Destruída base Branch Muidumbe, 12 acampamentos, baixas inimigas e destruída grande quantidade de géneros alimentícios.

 

i) Operação de grande envergadura. Destruída base Limpopo e baixas inimigas. Capturada grande quantidade de material de guerra e outro e documentação. As Nossas Tropas sofreram algumas baixas resultantes do accionamento de armadilhas.

 
j) Destruída base Manica. Baixas inimigas e capturado material de guerra.

 

--------------------------

 

 


 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo