.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Condecorações

António da Costa Coelho e Pinho, Alferes Mil.º de Infantaria - Cruz de Guerra, de 3.ª Classe

 

 

HONRA E GLÓRIA

 

 

António da Costa Coelho e Pinho

 

Alferes Mil.º de Infantaria

 

Companhia de Caçadores 2304

 

Batalhão de Caçadores 2831

 

Moçambique:

 

31Jan1968 a 20Fev1970

 

Cruz de Guerra, de 3.ª classe

 

Prémio Governador

 

 

António da Costa Coelho e Pinho, Alferes Mil.º de Infantaria.

 

Mobilizado pelo Regimento de Infantaria 1 (RI1 - Amadora) para servir Portugal na Província Ultramarina de Moçambique integrado na Companhia de Caçadores 2304 (nota) do Batalhão de Caçadores 2831, no período de 31 de Janeiro de 1968 a 20 de Fevereiro de 1970.

 

 

 

(nota) - A CCaç 2304 desembarcou em Mocímboa da Praia. Colocada em Nambude, rendeu a CCaç 1632/BCaç 1899.


A 01Set68, permutando com a CCaç 2303, foi transferida para Mocímboa da Praia. Em Out68, cedeu 2 pelotões para integração na força de protecção aos trabalhos da CEng 2393, na região de Antadora.


A 20Jan69, foi transferida, por troca com a CCaç 2305, de Mocímboa da Praia para o Chitolo.


De Fev68 a Mai69, executou entre outras, as operações "Ver Melhor"(região da "Tawi Branch Intotué"), "Pé Leve" (E de Pirimita), "Pegaso" (região da "Loko Branch Muidumbe"), "Rosa" (região da "Base Inhambane") e "Furacão"(vale do rio Sinheu). Tomou parte nas operações "Primeira Festa", "Tira Teimas", "Omega", "Vespa" e "Vulcão".


Em Mai69, foi rendida no Chitolo, pela CCaç 2514/BCaç 2875 e transferida para Toma do Nairoto, onde rendeu a CCaç 1670/13Caç 1907. Guarneceu com 1 pelotão o destacamento de Luma.

 

De 01Jul a 24Ago69 e de 04Set a 20Nov69, esteve em Macomia, na situação de intervenção, tendo participado nas operações "Jacaré 1 a 4", "Vasculho 1 e 2" e "Tira Teimas 1 a 4".


Foi rendida em Toma do Nairoto (Fev70), pela CCaç 2449.

 

 

Cruz de Guerra, de 3.ª classe

 

 

 

Alferes Miliciano de Infantaria
ANTÓNIO DA COSTA COELHO E PINHO
 

CCac 2304/BCac 2831 — RI 1
MOÇAMBIQUE
 

3.ª CLASSE


Transcrição da Portaria publicada na OE n.º 5 — 2.ª série, de 1970.
Por Portaria de 24 de Fevereiro de 1970:
 

Condecorado com a Cruz de Guerra de 3.ª classe, ao abrigo dos artigos 9.º e 10.º do Regulamento da Medalha Militar, de 28 de Maio de 1946, por serviços prestados em acções de combate na Província de Moçambique, o Alferes Miliciano de Infantaria, António da Costa Coelho e Pinho, da Companhia de Caçadores n.º 2304/Batalhão de Caçadores n.º 2831 — Regimento de Infantaria n.º 1.


Transcrição do louvor que originou a condecoração.
(Publicado na OS n.º 63, de 03 de Setembro de 1969, do QG/RMM):


Que, por seu despacho de 05Jul69, o Brigadeiro, então Comandante Interino da Região, louvou o Alferes Miliciano de Infantaria António da Costa Coelho e Pinho, da Companhia de Caçadores n.º 2304/Batalhão de Caçadores n.º 2831, porque, quando numeroso grupo inimigo, estimado em mais de 300 elementos e dispondo de morteiros do 82 mm, canhões sem recuo, bazookas, armas automáticas e granadas de mão, lançou violento ataque ao seu aquartelamento, no Norte de Moçambique, incidindo sobre o sector do seu Grupo de Combate, dirigiu-se prontamente para a posição de combate, atravessando extensa zona debaixo de intenso fogo do adversário.


Ali chegado, ripostou com decisão e firmeza ao inimigo, exortando simultaneamente os seus homens contra o adversário, até que, gravemente ferido por estilhaços de granada de bazooka inimiga, deixou o local de combate para receber os primeiros socorros.


Apesar de se saber gravemente ferido, manteve extraordinária serenidade e optimismo, desejoso de dar, novamente, combate ao adversário.


Deste modo, o Alferes Pinho, demonstrou muita coragem e decisão, ener-gia e sangue-frio frente ao inimigo.
 


 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo