.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Guiné

GUINÉ - IMAGENS - Cedidas por ex-Combatentes ou em sites próprios

 

 

 

Abel Santos

 

Soldado de Artilharia, n.º 00081467

 

Companhia de Artilharia 1742

 

«Os Panteras»

 

Guiné

 

Nova Lamego e Buruntuma

 

1967 a 1969

 

 

 

Texto da autoria de Abel Santos:

 

"Paludismo"

Ainda a temática sobre o paludismo.

Amigos e camaradas, envio esta pequena resenha sobre o paludismo que atacou alguns camaradas nossos no teatro operacional da Guiné, no qual também fui um dos afectados (apesar ser consumidor da Pirimetamina) mas que até foi meu aliado nessa altura.

No longínquo ano de 1967 mês de Dezembro, estando a CART 1742 da qual eu fazia parte, posicionada em Nova Lamego no chamado quartel de baixo, no dia 14 do mês de Natal sou confrontado com uma mudança brusca de temperatura após o almoço, dando baixa à enfermaria onde o furriel enfermeiro Lopes (técnico de farmácia na vida civil na cidade do Porto) que me aplicou de imediato a (mezinha) injecção da ordem. Ao fim de três dias tudo tinha passado e fui dado como operacional.

Mas como disse atrás, o paludismo foi um aliado meu, já que no dia 17 o comandante da companhia Capitão Cohen manda formar o pessoal, e escolhe metade do grupo de combate a dedo, onde o primeiro a ser escolhido fui precisamente eu, para irmos a Sinchã Jobel na mata do Oio conjuntamente com a CART 1690 do capitão Marques Lopes, e o pelotão de Milª 110, executar uma batida na região com o fim de desalojar o IN que possuía uma base nesse local. Como ia dizendo o paludismo interferiu a meu favor manifestando a minha incapacidade para tal através da voz do Furriel enfermeiro

-O Abel está com o paludismo meu capitão

-Então que vá para a caserna disse ele - e eu fui, pudera.

O segundo caso de paludismo aconteceu após a minha chegada a casa logo na primeira semana, mas tudo foi resolvido rapidamente, já que eu era portador de um contacto telefónico dos serviços infectos-contagiosos que na altura estava instalado em Ermesinde (Porto), que acorreram imediatamente após o telefonema, e assim ao fim de uma semana estava novamente operacional.

Envio também uma foto que prova que o pessoal era medicado. Em primeiro plano da esquerda para a direita, o Abel Santos, o Oliveira e o Aníbal, mais atrás em pé, o furriel enfermeiro Lopes a distribuir a (mezinha) Pirimetamina.

Espero ter contribuído com este pequeno relato para a temática sobre o paludismo.

Sem mais, recebam um abraço combatente.

Abel Santos.

 Paludismo
 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo