.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Guiné

Honra e Glória: Mamadu Jaló, Soldado n.º 925/64, da Companhia de Caçadores 1439

 

HONRA E GLÓRIA

Fonte:

5.º Volume, Tomo I, da da RHMCA / CECA / EME

Jornal do Exército, ed. 87, de Mar1967

Jornal do Exército, ed. 90, de Jun1967

Elementos cedidos por um colaborador do portal UTW

 

 

 

Mamadu Jaló

 

Soldado de Infantaria, de 2.ª classe, n.º 925/64

 

Companhia de Caçadores 1439

 

Guiné

 

 

Medalha de Cobre de Valor Militar, com palma

 

Prémio Governador

 

Mamadu Jaló, Soldado de Infantaria, de 2.ª classe, n.º 925/64.

 

Serviu Portugal na Província Ultramarina da Guiné integrado na Companhia de Caçadores 1439.

 

 

 

 

 

Soldado de Infantaria,

de 2.ª classe, n.º 925/64
MAMADU JALÓ
 

CCac 1439/BCac 697 - RI 15
GUINÉ
 

Grau: Cobre, com palma
 

Transcrição da Portaria publicada na OE n.º 31 - 3.ª série, de 1966:
Por Portaria de 27 de Dezembro de 1966:


Manda o Governo da República Portuguesa, pelo Ministro do Exército, condecorar com a Medalha de Cobre de Valor Militar, com palma, nos ter-mos do artigo 7.º, com referência ao parágrafo 1.º do artigo 51.º do Regulamento da Medalha Militar de 28 de Maio de 1946, o Soldado de 2.ª classe n.º 925/64, Mamadu Jaló, da Companhia de Caçadores n.º 1439/Batalhão de Caçadores n.º 697 — porque na operação "Avante", quando as nossas tropas se encontravam debaixo de nutrido e violento fogo inimigo, em terreno que nos era manifestamente desfavorável, fez parte de um reduzido grupo que, sob o comando do comandante da operação, executou uma arrancada heroica ao encontro do inimigo oculto, do que resultou a suspensão do seu fogo e o consequente alívio da situação das nossas tropas, tornando-se em sucesso para nós, embora com baixas, o que poderia ser um desastre.


Durante esse avanço, ao ver que o Furriel António Nunes Lopes, que fazia parte do mesmo grupo, como seu comandante de Secção, estava a ser insistentemente alvejado com tiros de pistola metralhadora, num gesto de abnegação extraordinária lançou-se sobre ele e cobriu-o com o seu corpo para o proteger, com grave risco da própria vida, demonstrando não só uma dedicação sem limites pelos seus superiores, mas ainda qualidades de desinteresse e de sacrifício exemplares e coragem moral.


Ministério do Exército, 27 de Setembro de 1966.
O Ministro do Exército, Joaquim da Luz Cunha.

 

---------------------------------------------------------------

 

Jornal do Exército

 

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo