.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

 

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Condecorações

Manuel Maria Delgado e Silva, General, faleceu no dia 27 de Setembro de 1986

 

HONRA E GLÓRIA

e

nota de óbito

 

Elementos cedidos por um

colaborador do portal UTW

 

 

 

Faleceu, no dia 27 de Setembro de 1986, o veterano

 

Manuel Maria Delgado e Silva

 

General, na situação de reforma

 

Estado da Índia Portuguesa:

Comandante dos

Agrupamento 'Vasco da Gama' (distrito de Goa)

Agrupamento 'António da Silveira' (distrito de Diu)

Governador e Comandante Militar Distrital de Diu

 

Região Militar de Angola

Comandante do Comando de Agrupamento 2961

Comandante da Zona Militar Leste

 

Região Militar de Moçambique

Comandante-Adjunto (nas áreas da administração de pessoal e logística)

 

"Pouco se fala hoje em dia nestas coisas mas é bom que para preservação

do nosso orgulho como Portugueses, elas não se esqueçam"
 

Barata da Silva, Vice-Comodoro

 

 

2 Medalha de Ouro de Serviços Distintos

 

2 Medalhas de Prata de Serviços Distintos com palma

 

Medalha de Mérito Militar de 1.ª classe

 

Ordem Militar de Avis, grau Grande-Oficial

 

Ordem Militar de Avis, grau Comendador

 

Ordem Militar de Avis, grau Cavaleiro

 

Medalha de Ouro de Comportamento Exemplar

 

 

 

Manuel Maria Delgado e Silva, General na situação de reforma.

Nasceu a 21 de Janeiro de 1911 em Santa Marinha, sede de freguesia do concelho de Vila Nova de Gaia; filho de Josefa Josefina Delgado e Silva e de José Pedro da Silva.

- em 1929 inicia os preparatórios militares na Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra;


- em 21 de Maio de 1932 na Escola do Exército, promovido a aspirante-a-oficial do curso de artilharia;


- em 1936 conclui o tirocínio na Escola Prática de Artilharia (EPA - Vendas Novas), onde fica colocado como alferes;


- em 1938 promovido a tenente;


- em 1940 transferido para o Regimento de Artilharia Ligeira 2 (RAL2 - Coimbra);


- em 1942 segue para o Funchal, integrado na 8ª Bateria Expedicionária do Grupo de Artilharia Contra Aeronaves 1 (GACA1 - Cascais);


- em 1944 regressado à Metrópole, fica colocado no Regimento de Artilharia 1 (RAL1 - Sacavém);


- em 1945 promovido a capitão, transferido para o Regimento de Artilharia Pesada 1 (RAP1 - Sacavém);


- em 15 de Agosto de 1945 agraciado com o grau de Cavaleiro da Ordem Militar de Avis;


- De 1951 a 1956 comandante do corpo de bombeiros municipais de Coimbra;


- em 1956 promovido a major, nomeado para servir no Estado da Índia Portuguesa, onde sucessivamente exerce funções de comandante dos agrupamentos ‘Vasco da Gama’ (distrito de Goa) e ‘António da Silveira’ (distrito de Diu);


- em 24 de Maio de 1958 agraciado com o grau de Comendador da Ordem Militar de Avis;


- em Setembro de 1958 passa a exercer os cargos cumulativos de governador e comandante militar distrital de Diu;


- em 9 de Setembro de 1960 regressa à Metrópole;


- em 22 de Outubro de 1960 colocado novamente no Regimento de Artilharia Ligeira 2 (RAL2 - Coimbra);


- em 22 de Novembro de 1961 promovido a tenente-coronel e colocado no Regimento de Artilharia Pesada 3 (RAP3 - Figueira da Foz) como 2º comandante, acumulando o cargo de comandante do Centro de Instrução de Condutores Auto 4 (CICA4 - Coimbra);


- em 21 de Janeiro de 1962 regressa ao Regimento de Artilharia Ligeira 2 (RAL2 - Coimbra), onde assume funções de 2º comandante;


- em 19 de Fevereiro de 1963 passa a comandar interinamente o Regimento de Artilharia Ligeira 2 (RAL2 - Coimbra), mantendo funções de comandante do Centro de Instrução de Condutores Auto 4 (CICA4 - Coimbra);


- em 24 de Julho de 1963 cessa funções como comandante do Centro de Instrução de Condutores Auto 4 (CICA4 - Coimbra);


- em 3 de Dezembro de 1963 agraciado com a Medalha de Prata de Serviços Distintos com palma, porque...


- «No exercício do comando do centro de instrução de condução auto nº 4 desde a sua criação, confirmou mais uma vez as suas excepcionais qualidades de organizador, impulsionador e competência, ao ponto de rapidamente elevar as condições de funcionamento da sua unidade ao nível das outras idênticas, já existentes há bastante tempo, não obstante das características de provisória com que já foi criada.


Dotado de apreciável cultura e inteligência, foi sempre um colaborador leal do general director do Serviço de Transportes no cumprimento da pesada exigência de instrução a satisfazer, a maior parte das vezes dispondo de escassos meios em pessoal, material e instalações, consequência ainda da natureza provisória da sua unidade.


O bom nome de que este oficial dispõe na sua arma e entre os seus camaradas em geral, e os serviços que prestou no comando que acaba de deixar, muito contribuíram para a boa eficiência da instrução de condução auto e, consequentemente, para o prestígio do Exército, além dos serviços anteriormente prestados, quer na metrópole quer fora, os quais devem ser considerados relevantes e muito distintos.
»


- em 10 de Agosto de 1965, entretanto promovido a coronel, assume o comando da Escola Prática de Artilharia (EPA - Vendas Novas);


- em 15 de Maio de 1967 cessa o comando da Escola Prática de Artilharia (EPA - Vendas Novas) e fica colocado na Direcção da Arma de Artilharia, sendo nomeado para frequentar, no ano lectivo de 1967/68, o curso de altos comandos no Instituto de Altos Estudos Militares (IAEM - Pedrouços);


- em 10 de Agosto de 1968 promovido a brigadeiro;


- em 14 de Agosto de 1968 nomeado inspector da Arma de Artilharia;


- em 11 de Janeiro de 1969 nomeado por designação, para servir Portugal na Província Ultramarina de Angola;


- em 6 de Março de 1969 agraciado com a Medalha de Ouro de comportamento exemplar;


- em 12 de Junho de 1969 embarca no Aeródromo Base n.º 1 (AB1 - Portela) rumo à Base Aérea n.º 9 (BA9 - Luanda), a fim de assumir em Santa Eulália as funções de comandante do Comando de Agrupamento 2961 (CmdAgr2961) - Sector Meridional da Área Militar n.º 1 (AM1-Dembos);


- em 29 de Junho de 1970 agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Avis;


- no final de 1970 colocado na cidade do Luso, como comandante militar da recém-criada Zona Militar Leste da Região Militar de Angola;


- em Março de 1971 regressa à Metrópole;


- em 22 de Abril de 1971 nomeado 2º comandante da Região Militar de Lisboa;


- em 13 de Julho de 1971 agraciado com a Medalha de Prata de Serviços Distintos com palma, ...


- «Pelas invulgares qualidades profissionais e morais reveladas, reafirmando, quer na área militar 1 [ZMN/RMA], quer na zona militar leste [ZML/RMA] e em todas as circunstâncias, a sua excepcional competência e o seu elevado espírito de missão, à qual se entrega sem restrições, no sentido de obter os melhores resultados da sua acção de comando, exercendo uma eficiente e intensiva actividade, num raro ambiente de grande simpatia pessoal, mercê da qual aglutina e incentiva o empenho e interesse dos seus subordinados, aos quais se impôs naturalmente, pelo exemplo e pela acção, como chefe de excepção.


Consciente das características da luta em que estamos empenhados, na qual o terreno tem primordial importância, foi infatigável no reconhecimento das áreas à sua responsabilidade, as quais percorreu em todas as direcções, sem se poupar a esforços e sacrifícios, pondo à prova o seu dinamismo e excepcional desembaraço físico.


Estudando todos os problemas que lhe são afectos, com elevado critério e ponderação, planeou, incentivou e impulsionou a actividade operacional das unidades subordinadas, as quais muitas vezes acompanhava, de forma a obterem-se os melhores resultados.


Com excelentes dotes de inteligência, absoluta integridade de carácter, expondo as suas opiniões com firmeza, clareza, sinceridade e lealdade, o brigadeiro Delgado e Silva confirmou em absoluto as suas excelentes qualidades de chefe, competente, sensato, enérgico e decidido, prestando muitos importantes serviços na Região Militar de Angola, que devem ser considerados altos, relevantes, extraordinários e distintos.
»


- em 4 de Julho de 1972 agraciado com a Medalha de Ouro de Serviços Distintos, porque...


- «No exercício das funções de 2º comandante da Região Militar de Lisboa durante cerca de ano de meio, ter continuado a afirmar as invulgares qualidades militares e excepcionais virtudes morais já devidamente assinaladas nos inúmeros louvores que, ao longo da sua brilhante carreira militar, lhe têm sido conferidos, quer em tempo de paz quer em campanha.


O interesse, dinamismo, viva inteligência, indefectível lealdade e elevado espírito de missão com que vem cumprindo o cargo que lhe foi confiado, mostram tratar-se de um oficial dotado de larga experiência no campo da instrução dos quadros e das tropas, consequência da sua longa carreira militar vivida em contacto permanente com as tropas, no desempenho das funções de instrutor e comandante da Escola Prática da sua arma, comandante de artilharia no Estado da Índia, governador e comandante militar do distrito de Diu e, recentemente, no exercício do comando de dois sectores difíceis na Região Militar de Angola.


Deslocando-se quase diariamente às várias unidades e estabelecimentos militares da Região
[Militar de Lisboa] e contactando com os oficiais, sargentos e praças, desenvolveu uma acção de muito valor na preparação e instrução de todas as unidades, com vista à sua eficiência e prontidão para cumprimento das medidas superiormente estabelecidas no âmbito da segurança interna e, muito especialmente, na inspecção das unidades a destacar para o ultramar, mercê da sua habilidade natural para lidar com as tropas, da sua elevada competência e do grande prestígio que goza no meio militar.


Oficial muito inteligente e dotado de elevada cultura, muito criterioso, calmo, sensato, desembaraçado, disciplinado e disciplinador, metódico, organizador, profundamente dedicado à sua profissão e possuidor de grande capacidade de trabalho, com prejuízo, por vezes, das suas horas normais de descanso e até da própria saúde, revelou excepcionais qualidades profissionais, muita dignidade e elevada formação militar, granjeando pela forma de proceder, inexcedível correcção, esmeradíssima educação e firmeza de cumprimento das suas funções, a consideração e estima dos seus subordinados.


Em consequência das suas excepcionais qualidades militares, aliadas a uma óptima formação moral e vincada personalidade, em que há a salientar uma grande firmeza de carácter, desassombro de atitudes e elevado espírito de camaradagem, prestigiou, pela sua conduta e ponderada acção, o cargo que desempenha e a própria Região
[Militar de Lisboa].


O seu passado militar e o conjunto de invulgares qualidades demonstradas no exercício das funções de 2º comandante, em que se afirmou um valiosíssimo colaborador do Comando, confirmam a sua reputação de um muito distinto oficial general, cuja acção na Região Militar de Lisboa é credora do maior apreço e de que os serviços prestados sejam considerados extraordinários, relevantes e muito distintos.
»


- em 12 de Agosto de 1972 agraciado com a Medalha de Mérito Militar de 1ª classe;


- em 15 de Dezembro de 1972 promovido a general;


- em 6 de Janeiro de 1973 apresentado na repartição do gabinete do ministro do Exército, aguardando colocação;


- em 25 de Fevereiro de 1973 colocado em Nampula como comandante-adjunto da RMM, nas áreas da administração de pessoal e logística;


- em 1 de Fevereiro de 1974 regressa definitivamente à Metrópole;


- em 7 de Maio de 1974 assume funções de comandante da Academia Militar;


- em 27 de Julho de 1974 louvado...


- «Pelo muito zelo, dedicação e eficiência com que desempenhou durante onze meses as complexas e difíceis funções de comandante-adjunto para o Exército em Moçambique.


Oficial general de elevada competência profissional, amplamente reflectida nas superiores decisões tomadas e que evidenciaram inequivocamente o esforço e cuidado na defesa dos interesses do Exército, dirigiu e coordenou com notável ponderação, equilíbrio e de forma desassombrada, todas as importantes actividades inerentes às suas funções, nomeadamente as relacionadas com a administração do pessoal e a logística da Região Militar de Moçambique.


Inteiramente devotado ao exercício da sua difícil tarefa, manteve entre os seus subordinados o grande e justo prestígio que conquistou ao longo da sua carreira militar.


A importante actividade desenvolvida pelo general Delgado e Silva, em funções de tão elevado relevo, confirmam uma vez mais o alto conceito em que era tido, devendo os seus serviços, que muito honram o Exército, ser considerados de muito e elevado mérito.
»


Vídeo: Discurso do General Manuel Maria Delgado e Silva por ocasião do 138.º Aniversário da Academia Militar:

 

 

 

 

 

 

- em 17 de Abril de 1975 cessa funções da Academia Militar, passando à situação de reserva.


- em 2 de Maio de 1975 agraciado com a Medalha de Ouro de Serviços Distintos.


- em 21 de Janeiro de 1981 passa à situação de reforma.

Faleceu no dia 27 de Setembro de 1986.
 

 

Paz à sua Alma.

 

 

 

 

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo