.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTW

Moçambique

Moçambique - Imagens cedidas por Ilídio Costa

 

 

Ilídio Costa

 

Companhia de Caçadores de

Mocimboa da Praia

 

 

 

Madina de Boé (Guiné)

 

"A Retirada"

 

Este filme é dedicado às gerações dos que morreram e combateram nas

três frentes da guerra em África

 

 
 

 

Extraído de

 

"MADINA DO BOÉ" (Contributo para a sua história), de José Martins

in: Revista "Combatente", Edição 337, Setembro de 2006

Texto completo - clique aqui

A RETIRADA

A saída da zona do Boé começou a 15 de Junho de 1968, com o desmantelamento do destacamento de Béli, guarnecido por uma força destacada de Madina do Boé. Participei nessa operação com uma certa apreensão, pois ainda não estava há duas semanas na Guiné, para visitar os destacamentos de Canjadude e Che-Che, locais que se encontravam guarnecidos por forças da CCaç 5, unidade em que fora colocado como Sargento de Transmissões.

A minha missão terminava no Che-Che. Aí ficaria a aguardar o regresso da coluna que, depois de proceder ao desman­telamento de Béli e deslocar a guarnição para Madina do Boé, voltaria, pelo mesmo e único caminho, a Nova Lamego. Senti o nervosismo do pessoal que ia na primeira leva na jangada, com a função de ocupar posições na outra margem e montar a segurança, para continuar a passagem do restante da coluna. Só os meios aéreos poderiam antecipar dados que permitissem cambar o rio com relativa segurança.

Já não assisti ao regresso da coluna nem aos trabalhos da passagem para a margem norte do Corubal, pois a minha primeira crise de paludismo originou novo baptismo: a evacuação aérea em Alouette 11I para Nova Lamego. Dias mais tarde assisti ao regresso da coluna e, naturalmente, à descompressão das tropas utilizadas nessa operação. Toda esta manobra obedecia a uma directiva, a n° 1/68, do Comandante-Chefe recentemente empossado, o então Brigadeiro António de Spínola, que previa a:

"Remodelação do dispositivo da região do Boé:

1. É intenção do Comando-Chefe remodelar com a maior brevidade o dispositivo das Nossas Tropas (NT) na região do Boé, transferindo o aquartelamento de Madina do Boé para local mais adequado, na região do Che-Che.

2. Confirma-se a ordem dada ao Comando Territorial Independente da Guiné (CTIG) no sentido de recolher imediatamente a Madina do Boé o destacamento de Béli, devendo ser destruídas as instalações e material que não for recu perável.

3. O CTIG e o Comando da Zona Aérea de Cabo Verde e Guiné (CZACVG) procederá imediatamente a um reconhecimento da região do Che-Che, em ordem a escolher o local do novo aquartelamento, que deverá satisfazer às seguintes condições: a) Situar-se em área chave da região do Che-Che, que permita o lançamento de acções dinâmicas na região do Boé e na margem norte do Rio Corubal e, se possível, que dê garantias de segurança à passagem deste rio no Che-Che (jangada); b) Ter uma boa pista de aterragem para aviões Dakota; c) Oferecer boas condições de defesa do aquartelamento, que deve ser planeado com vistas a transformar-se numa grande

base operacional.

4. Desejo deslocar-me à região conjuntamente com os elementos que forem estudar o problema.

5. Desejo ser informado sobre a possibilidade de realizar esta transferência durante a época das chuvas.

Bissau, 8 de Junho de 1968

O Comandante-Chefe

António Sebastião Ribeiro de Spínola, brigadeiro"

 

O DESASTRE DO CHE-CHE

Constou, na altura, que tinha havido uma alteração na "ordem de operações". Previa-se que, aquando da travessia do Corubal, as últimas unidades a atravessar o rio seriam as de armas pesadas, ao contrário do que se verificou, que foram tropas de infantaria.

A jangada, durante a noite, efectuou viagens consecutivas entre as duas margens, transportando viaturas e equipamento militar retirado de Madina, assim como muito do pessoal que compunha a escolta à coluna, até que, já ao amanhecer apenas faltava transportar para o lado norte do Rio Corubal quatro grupos de combate, cerca de 120 homens, que pertenciam à CCaç 1790 e à CCaç 2405.

Apesar de todas as normas apontarem para que apenas fossem transportados dois. grupos de combate de cada vez, para garantir que a travessia se fazia em segurança e sem riscos desnecessários, foi dada ordem para que todo o efectivo que aguardava transporte entrasse na jangada para ser transportado, baseado numa única justificação: "ganhar tempo".

Foi com visível desagrado que o oficial responsável pela coordenação da travessia, assim como dos graduados que comandavam os grupos de combate, assistiram e ouviram a ordem de que todo o efectivo devia embarcar, que, apesar das justificações apresentadas em sentido contrário, não demoveram quem deu "a ordem de embarque" para a derradeira viagem daquela jangada.

Mal a jangada se afastou da margem, ainda não estavam percorridos dez metros, já a mesma se afundava e projectava para as águas do rio os que nela se encontravam.

A grande preocupação foi a ajuda aos que tinham caído à água, pois transportavam consigo todo o equipamento normal numa missão de patrulhamento que, além da arma, do cantil e do bornal, incluía as munições de reserva, não só para as armas ligeiras, mas também para as bazucas e para os morteiros. Naquela tarde de 6 de Fevereiro de 1969, o Corubal roubou a todos e a cada um de nós, quarenta e sete amigos e camaradas, dos quais poucos viriam a ser encontrados e sepultados nas margens do Rio Corubal.

 

OS HERÓIS / MÁRTIRES

É com emoção que, quando falo ou escrevo sobre este tema, me perfilo em continência, os meus lábios murmuram uma breve oração e me curvo perante a memória daqueles que não voltaram e cujo espírito permanece sobre as águas do Rio Corubal:

Furriéis Milicianos:

Companhia de Caçadores 1790

Carlos Augusto da Rocha, natural de Angústias - Horta - Açores - CCaç 1790

Companhia de Caçadores 2405

Gregório dos Santos Corvelo Rebelo, natural de Terra Chã - Angra do Heroísmo - Açores - CCaç 2405

Primeiros-cabos:

Companhia de Caçadores 1790

Augusto Maria Gamito, natural de S. Francisco da Serra - Santiago do Cacém - CCaç 1790

Francisco de Jesus Gonçalves Ferreira, natural de Tortosendo - Covilhã - CCaç 1790

Joaquim Rita Coutinho, natural de Samora Correia - Benavente - CCaç 1790

José Simões Correia de Araújo, natural de Telhado - Vila Nova de Famalicão - CCaç 1790

Luís Francisco da Conceição Jóia, natural de Alvor - Portimão - CCaç 1790

Companhia de Caçadores 2405

Alfredo António Rocha Guedes, natural de Vila Jusa - Mesão Frio - CCaç 2405

José Antunes Claudino, natural de Alcanhões - Santarém - CCaç 2405

Soldados:

Companhia de Caçadores 1790

Alfa Jau, natural da Guiné - CCaç 1790

Américo Alberto Dias Saraiva, natural de S. Sebastião da Pedreira - Lisboa - CCaç 1790

Aníbal Jorge da Costa, natural de Rossas - Vieira do Minho - CCaç 1790

António dos Santos Lobo, natural de Favaios do Douro - Alijó - CCaç 1790

António Marques Faria, natural de Telhado - Vila Nova de Famalicão - CCaç 1790

António Martins de Oliveira, natural de Rio Tinto - Gondomar - CCaç 1790

Augusto Caril Correia, natural de Santa Cruz - Coimbra - CCaç 1790

Avelino Madail de Almeida, natural de Glória - Aveiro - CCaç 1790

Celestino Gonçalves Sousa, natural de Poiares - Ponte de Lima - CCaç 1790

David Pacheco de Sousa, natural de Lustosa - Lousada - CCaç 1790

Joaquim Nunes Alcobia, natural de Igreja Nova - Ferreira do Zêzere - CCaç 1790

Joel Santos Silva, natural de Guisande - Vila da Feira - CCaç 1790

José da Silva Coelho, natural de Recarei - Paredes - CCaç 1790

José de Almeida Mateus, natural de Santa Comba Dão - CCaç 1790

José Fernando Alves Gomes, natural de Carvalhosa - Paços de Ferreira - CCaç 1790

José Ferreira Martins, natural de Pousada de Saramagos - Vila Nova de Famalicão - CCaç 1790

José Maria Leal de Barros, natural de Vilela - Paredes - CCaç 1790

Judite Embuque, natural de Guiné - CCaç 1790

Manuel António Cunha Fernandes, natural de Arão - Valença do Minho - CCaç 1790

Manuel da Silva Pereira, natural de Penude - Lamego - CCaç 1790

Ricardo Pereira da Silva, natural de Serzedo - Vila Nova de Gaia - CCaç 1790

Tijane Jaló, natural de Piche - Gabu - CCaç 1790

Companhia de Caçadores 2405

Alberto da Silva Mendes, natural de Sande - Guimarães - CCaç 2405

António Domingos Nascimento, natural de Santa Maria - Trancoso - CCaç 2405

António dos Santos Marques, natural de Lorvão - Penacova - CCaç 2405

António Jesus da Silva, natural de Arazedo - Montemor-o-velho - CCaç 2405

Francisco da Cruz, natural de Lebução - Valpaços - CCaç 2405

José da Silva Góis, natural de Meãs do Campo - Montemor-o-Novo - CCaç 2405

José da Silva Marques, natural de Marmeleira - Mortágua - CCaç 2405

José Loureiro, natural de S. João de Fontoura Resende - CCaç 2405

José Pereira Simão, natural de Salzedas - Tarouca - CCaç 2405

Laurentino Anjos Pessoa, natural de Sonim - Valpaços - CCaç 2405

Manuel Conceição Silva Ferreira, natural de Pombalinho - Santarém - CCaç 2405

Octávio Augusto Barreira, natural de Suçães - Mirandela - CCaç 2405

Valentim Pinto Faria, natural de Valdigem - Lamego - CCaç 2405

Victor Manuel Oliveira Neto, natural de Buarcos - Figueira da Foz - CCaç 2405

Civis:

Um caçador nativo não identificado.

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo