.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

 

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Condecorações

Joaquim Maria Correia Mourato, Soldado de Cavalaria, da CCav1617: Cruz de Guerra de 4.ª classe

 

  "Pouco se fala hoje em dia nestas coisas mas é bom que para preservação do nosso orgulho como Portugueses, elas não se esqueçam"

 

Barata da Silva, Vice-Comodoro

 

HONRA E GLÓRIA

Fontes:

5.º Volume, Tomo V, pág. 203, da RHMCA / CECA / EME

7.º Volume, Tomo I, pág.s 497 e 498, da RHMCA / CECA / EME

Jornal do Exército, ed. 137, pág. 49, de Maio de 1971

Imagens dos distintivos cedidas por Carlos Coutinho

 

 

Joaquim Maria Correia Mourato

 

Soldado de Cavalaria, n.º 07530666

 

Companhia de Cavalaria 1617

 

Batalhão de Cavalaria 1897

 

Guiné:

04Nov1966 a 02Ago1968

 

Cruz de Guerra de 4.ª classe

 

 

Joaquim Maria Correia Mourato, Soldado Atirador de Cavalaria, n.º 07530666, natural da freguesia de Nossa Senhora da Graça, concelho de Nisa, distrito de Portalegre.


Mobilizado pelo Regimento de Cavalaria 3 (RC3 - Estremoz) para servir Portugal na Província Ultramarina da Guiné integrado na Companhia de Cavalaria 1617 (CCav1617) do Batalhão de Cavalaria 1897, no período de 4 de Novembro de 1966 a 2 de Agosto de 1968.

 

Agraciado com a Medalha da Cruz de Guerra de 4.ª classe, publicado na Ordem e Serviço n.º 25, de 14 de Dezembro de 1967, do Quartel General do Comando Territorial Independente da Guiné (QG/CTIG) e na Ordem do Exército n.º 7, 3.ª série, de 1968.
 

Cruz de Guerra de 4.ª classe

 

 

Soldado de Cavalaria, n.º 07530666
JOAQUIM MARIA CORREIA MOURATO
 

CCav1617/BCav1897 — RC3
GUINÉ
 

4.ª CLASSE


Transcrição do Despacho publicado na OE n.º 7 — 3.ª série de 1968.


Agraciado com a Cruz de Guerra de 4.ª classe, nos termos do art.º 12.º do Regulamento da Medalha Militar, promulgado pelo Decreto n.º 35 667, de 28 de Maio de 1946, por despacho do Comandante-Chefe das Forças Armadas da Guiné, de 8 de Fevereiro de 1968:


O Soldado n.º 07530666, Joaquim Maria Correia Mourato, da Companhia de Cavalaria n.º 1617 do Batalhão de Cavalaria n.º 1897 - Regimento de Cavalaria n.º 3.


Transcrição do louvor que originou a condecoração.


(Publicado na OS n.º 25, de 14 de Dezembro de 1967, do Quartel General do Comando Territorial Independente da Guiné (QG/CTIG):


Louvo o Soldado n.º 07530666, Joaquim Maria Correia Mourato, da Companhia de Cavalaria n.º 1617 do Batalhão de Cavalaria n.º 1897 - Regimento de Cavalaria n.º 3, porque em todas as acções de combate tem demonstrado invulgares qualidades de coragem, espírito de sacrifício, entusiasmo e sangue frio.


Nas situações de maior perigo sempre se tem havido de modo a causar a admiração dos seus superiores e camaradas, pois nunca foi visto, mesmo debaixo de fogo mais nutrido, a procurar abrigar-se. Sempre em pé, transmitindo ânimo, localizando as posições inimigas e aconselhando os seus camaradas, tem sido um elemento muito válido nos momentos de combate mais aguerrido.


De registar a sua atitude no decorrer da operação "Fabíola" em que, na exploração do sucesso, tendo avistado a grande distância alguns terroristas armados, em fuga, instantaneamente, entregou parte do seu equipamento a um camarada para se sentir mais aliviado e se lançou em corrida veloz sobre eles, através do capim altíssimo e denso, movendo-lhes perseguição aturada.


Na operação "Efusão III" em que tendo sido ferido com certa gravidade o guia nativo, debaixo de fogo, demonstrando igualmente uma humanidade e gratidão excepcionais, lhe prestou os primeiros socorros, sem se impressionar com o que se passava à sua volta.
Este Soldado, aprumado, correcto e leal, é um exemplo constante que muito prestigia e honra a Unidade a que pertence.

 

------------------------------------------------------------------

 

Jornal do Exército, ed. 137, pág. 49, de Maio de 1971

 

SOLDADO JOAQUIM MARIA CORREIA MOURATO
MEDALHA DA CRUZ DE GUERRA DE 4.ª CLASSE

O soldado Joaquim Maria Correia Mourato foi condecorado com a medalha da Cruz de Guerra de 4.ª classe «pelas invulgares qualidades de coragem, entusiasmo e sangue-frio que sempre revelou na Guiné.


Nas situações de maior perigo causou o espanto e admiração dos seus superiores e camaradas, nunca sendo visto a procurar abrigar-se, mesmo debaixo do mais nutrido fogo.
É de registar a sua atitude no decorrer de uma operação em que, na exploração do sucesso, tendo avistado a grande distância alguns terroristas em fuga, se lançou sobre eles, movendo-lhes perseguição aturada.


Numa outra operação, tendo saído ferido o guia nativo, prestou-lhe os primeiros socorros debaixo de fogo sem se impressionar com o que se passava à sua volta
».
 

------------------------------------------------------------------

 

Batalhão de Cavalaria n.º 1897
 

Identificação:
BCav1897
 

Unidade Mobilizadora:
Regimento de Cavalaria 3 (RC3 - Estremoz)
 

Comandante:
Tenente-Coronel de Cavalaria Miguel Fernandes Moreno
Tenente-Coronel de Cavalaria António Maria Rebelo
 

2.º Comandante:
Major de Cavalaria Carlos Correia de Sampaio de Vasconcelos Porto
 

Oficial de Informações e Operações / Adjunto:
Capitão de Cavalaria Júlio José Ribeiro de Almeida Vergas Rocha
Capitão de Cavalaria José César Restolho Mateus
Major de Cavalaria António Valadares Correia de Campos
 

Comandantes de Companhia:
 

Companhia de Comando e Serviços (CCS):
Capitão Mil.º de Artilharia Manuel da Silva Ventura
Capitão Graduado de Cavalaria José César Restolho Mateus
 

Companhia de Cavalaria 1615 (CCav1615):
Capitão de Cavalaria Luís Miguel da Silva Ataíde
 

Companhia de Cavalaria 1616 (CCav1616):
Capitão Graduado de Cavalaria Eduardo Manuel de Oliveira Trigo Perestrelo de Alarcão e Silva
Capitão de Cavalaria Carlos Manuel de Azeredo Pinto Melo e Leme
 

Companhia de Cavalaria 1617 (CCav1617):
Capitão de Cavalaria Augusto Torres Mendes
 

Partida:
Embarque no dia 29 de Outubro de 1966 da Companhia de Comando e Serviços (CCS) e da Companhia de Cavalaria 1617 (CCav1617); desembarque no dia 4 de Novembro de 1966;


Embarque no dia 12 de Novembro de 1966, no NTT «Niassa», da Companhia de Cavalaria 1615 (CCav1615) e da Companhia de Cavalaria 1616 (CCav1616); desembarque no dia 18 de Novembro de 1966;
 

Regresso:
Embarque no dia 2 de Agosto de 1968, no NTT «Uíge».


Síntese da Actividade Operacional
Em 16 de Novembro de 1966, seguiu para o Sector de Mansoa, a fim de preparar o seu desdobramento, efectuar uma instrução de adaptação operacional das suas subunidades e a sobreposição com o Batalhão de Caçadores 1857 (BCac1857).


Em 17 de Dezembro de 1966, assumiu a responsabilidade do Sector O3-A, então criado pelo referido desdobramento, com a sede em Mansoa e abrangendo as subunidades instaladas em Mansoa e Cutia e seus destacamentos.


Após um curto período de preparação e refrescamento das subunidades em Bolama, a partir de 5 de Abril de 1967, foi empenhado com as suas subunidades e outras que lhe foram atribuídas de reforço, na operação "Fabíola", realizada na região de Catió-Cobumba, de 17 a 23 de Abril de 1967, na qual foram obtidos excelentes resultados e causado elevado número de baixas ao inimigo.


Em 26 de Abril de 1967, seguiu para o Sector O3, com a sede em Mansabá e que abrangia os subsectores de Mansabá e Olossato, onde rendeu o Batalhão de Caçadores 1857 (BCac1857).


Entretanto em 19 de Abril de 1967, o 2.º Comandante e a Companhia de Comando e Serviços (CCS), que se haviam mantido no Sector O3-A, foram rendidos pelo Batalhão de Caçadores 1912 (BCac1912), tendo seguido para Mansabá.


Em 29 de Junho de 1967, após reajustamento de limites, a área de Cutia foi transferida para o Sector O3-A.


Em ambos os sectores, desenvolveu aturada actividade operacional de patrulhamento, reconhecimento, batidas e emboscadas, tendo realizado grande número de operações sobre as bases e grupos inimigos infiltrados na zona de acção.


Destacam-se, pelos resultados obtidos em baixas causadas ao inimigo, apreensão de armamento e material e recuperação de população, as operações "Finca Pé", "Esponja 111", "Alma Forte" e "EfigéniC, entre outras.


Dentre o armamento capturado mais significativo, salienta-se: 6 metralhadoras ligeiras, 13 pistolas-metralhadoras, 26 espingardas e 1 lança-granadas foguete.


Em 30 de Julho de 1968, foi rendido no Sector O3-A pelo Batalhão de Caçadores 2851 (BCac2851) e recolheu a Bissau para embarque.
----------------------------------------------------------------------------
 

A Companhia de Cavalaria 1615 (CCav1615) seguiu em 2 de Dezembro sw 1966 para a região de Mansoa, a fim de efectuar o treino operacional sob dependência do Batalhão de Caçadores 1857 (BCac1857) e ficar depois integrada no seu batalhão (Batalhão de Cavalaria 1897), realizando diversas operações na região do Óio e Sara-Sarauol e de protecção aos trabalhos de abertura do itinerário Porto Gole-Bissá-Bindoro.


Em 3 de Abril de 1967, seguiu para Bolama, a fim de, seguidamente, se integrar na operação "Fabíola", já atrás referida, após o que recolheu a Mansoa em 26 de Abril de 1967, ficando na dependência do Batalhão de Caçadores 1912 (BCac1912).


Em 3 de Maio de 1967, rendeu a Companhia de Caçadores 1420 (CCac1420) e assumiu a responsabilidade do subsector de Mansoa, com um pelotão destacado em Jugudul e secções em Braia e Uaque, tendo ainda destacado outro pelotão para Bindoro, de 10 de Maio a 23 de Junho de 1967.


Em 27 de Julho de 1967, rendida pela Companhia de Artilharia 1660 (CArt1660), seguiu para Olossato, a fim de reforçar a guarnição local e actuar como força de intervenção e reserva do seu batalhão (Batalhão de Cavalaria 1897), tendo-se, entretanto, deslocado para Mansabá para realização de várias operações nesta zona, de 1 de Novembro a 3 de Dezembro de 1967.


A partir de 7 de Maio de 1968, iniciou o deslocamento por fracções para Bissau, a fim de substituir a Companhia de Caçadores 1587 (CCac1587) na missão de segurança e protecção das instalações e das populações da área.


Em 15 de Maio de 1968, foi rendida em Olossato pela Companhia de Caçadores 2367 (CCac2367) e seguiu para Bissau, integrando-se na totalidade no dispositivo e manobra do Batalhão de Caçadores 2834 (BCac2834) e depois do Batalhão de Caçadores 1911 (BCac1911); entretanto, no período de 2 a 11 de Junho de 1968, deslocou dois pelotões para Mampatá, a fim de reforçarem a guarnição local.


A partir de 20 de Julho de 1968, foi substituída no sector de Bissau pela Companhia de Cavalaria 1650 (CCav1650), a fim de efectuar o embarque de regresso.
----------------------------------------------------------------------------

A Companhia de Cavalaria 1616 (CCav1616) seguiu, em 28 de Novembro de 1966, para a região de Mansoa, a fim de efectuar a adaptação operacional sob orientação do Batalhão de Caçadores 1857 (BCac1857) e seguidamente ficar integrada no dispositivo e manobra do seu Batalhão (Batalhão de Cavalaria 1897), instalando a sede em Mansoa.


Actuou em operações nas regiões de Cubonge, Locher, Sarauol e Tambato, entre outras e na protecção a trabalhos de descapinagem da estrada Mansoa-Cutia, até 3 de Abril de 1967.


Após ter tomado parte na operação "Fabíola" já atrás referida, foi colocada, temporariamente, em Cutia, onde substituiu a Companhia de Caçadores 1421 (CCac1421), de 26 de Abril a 7 de Maio de 1967, com vista a assegurar a segurança e protecção dos trabalhos da estrada Mansoa-Mansabá, então realizados na dependência do Batalhão de Caçadores 1912 (BCac1912).


Deixando ainda um pelotão em Cutia até 29 de Junho de 1967, foi transferida em 7 de Maio de 1967 para Mansabá, a fim de assumir a missão de intervenção e reserva do seu batalhão (Batalhão de Cavalaria 1897).


Em 2 de Junho de 1967, rendendo a Companhia de Artilharia 1486 (CArt1486), assumiu a responsabilidade do subsector de Olossato, com um pelotão em Ponte Maqué, no sector do seu batalhão (Batalhão de Cavalaria 1897).


Em 29 de Julho de 1968, foi rendida no subsector de Olossato pela Companhia de Caçadores 2367 (CCac2367), ali colocada do antecedente em reforço da guarnição, até à chegada e final do treino operacional da Companhia de Caçadores 2406 (CCac2406), seguindo depois para Bissau, a fim de efectuar o embarque de regresso.
----------------------------------------------------------------------------
 

A Companhia de Cavalaria 1616 (CCav1617) seguiu em 16 de Novembro de 1966 para o sector de Mansoa, a fim de efectuar a adaptação operacional, sob a orientação do Batalhão de Caçadores 1857 (BCac1857) e substituiu, a partir de 26 de Novembro de 1966, a Companhia de Caçadores 1588 (CCac1588) na segurança e protecção dos trabalhos da estrada Mansoa-Mansabá, com o seu estacionamento em Cutia.


Passou depois à dependência do seu batalhão (Batalhão de Cavalaria 1897).


Em 4 de Abril de 1967, foi substituída em Cutia pela Companhia de Caçadores 1421 (CCac1421) e seguiu para a zona Sul a fim de tomar parte na operação "Fabiola", já referida.


Em 26 de Abril de 1967, assumiu a responsabilidade do subsector de Mansabá, onde rendeu a Companhia de Caçadores 1419 (CCac1419), ficando integrada no dispositivo e manobra do seu batalhão (Batalhão de Cavalaria 1897).


Em 8 de Maio de 1968 foi rendida no subsector de Mansabá pela Companhia de Cavalaria 1749 (CCav1749) e seguiu, por fracções, para Bissau a fim de substituir a Companhia de Caçadores 1589 (CCac1589), a partir de 16 de Maio de 1968, no dispositivo de segurança e protecção das instalações e das populações da área sob responsabilidade do Batalhão de Caçadores 2834 (BCac2834) e depois do Batalhão de Caçadores 1911 (BCac1911) e onde se manteve até ao seu embarque de regresso, vindo a ser substituída pela Companhia de Artilharia 1660 (CArt1660).
 

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo