.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Condecorações

Jorge de Almeida Lameiras, Soldado de Cavalaria, n.º 312/65 - M, da CCav1403/BCav1851

 

  "Pouco se fala hoje em dia nestas coisas mas é bom que para preservação do nosso orgulho como Portugueses, elas não se esqueçam"

 

Barata da Silva, Vice-Comodoro

 

HONRA E GLÓRIA  

 

 

CG-2-Classe-350JOrge-de-Almeida-Lameiras-350Jorge de Almeida Lameiras

 

Soldado de Cavalaria,

n.º 312/65 - M

 

Companhia de Cavalaria 1403

 

Batalhão de Cavalaria 1851

«…NA GUERRA CONDUTA MAIS BRILHANTE»

 

Angola: 02Ago1965 a 22Ago1967

 

 

Cruz de Guerra de 2.ª classe

 

Jorge de Almeida Lameiras, Soldado de Cavalaria, n.º 312/65 - M;


RC3-2Mobilizado pelo Regimento de Cavalaria 3 (RC3 – Estremoz) «DRAGÕES DE OLIVENÇA» - «…NA GUERRA CONDUTA MAIS BRILHANTE» para servir Portugal na Província Ultramarina de Angola;


CCav1403No dia 24 de Julho de 1965, na Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos, em Lisboa, embarcou no NTT ‘Vera Cruz’, integrado na Companhia de Cavalaria 1403 (CCav1403) do Batalhão de Cavalaria 1851 (BCav1851) «…NA GUERRA CONDUTA MAIS BRILHANTE», rumo ao
BCav1851-Gporto de Luanda, onde desembarcou no dia 2 de Agosto de 1965;


A sua subunidade de cavalaria foi colocada em Zala;


Em 23 de Setembro de 1966, a sua subunidade rodou para Henrique de Carvalho;


Louvado por feitos em combate, publicado na Ordem de Serviço n.º 12, de 10 de Fevereiro de 1967, da Região Militar de Angola;


Agraciado com a Medalha da Cruz de Guerra de 2.ª classe, pela Portaria de 11 de Abril de 1967, publicada na Ordem do Exército n.º 12 – 3.ª série, de 1967;


Em 22 de Agosto de 1967, embarcou no NTT ‘Uíge’ de regresso à Metrópole, onde desembarcou no dia 3 de Setembro de 1967.

 

Cruz de Guerra de 2.ª classe

 

 

 

Soldado de Cavalaria, 312/65-M
JORGE DE ALMEIDA LAMEIRAS
 

CCav1403/BCav1851 - RC3
ANGOLA
 

2.ª CLASSE


Transcrição da Portaria publicada na Ordem do Exército n.º 12 – 3.ª série, de 1967.


Por Portaria de 11 de Abril de 1967:


Manda o Governo da República Portuguesa, pelo Ministro do Exército, condecorar com a Cruz de Guerra de 2.ª classe, ao abrigo dos artigos 9.º e 10.º do Regulamento da Medalha Militar, de 28 de Maio de 1946, por serviços prestados em acções de combate na Província de Angola, o Soldado n.º 312/65-M, Jorge de Almeida Lameiras, da Companhia de Cavalaria n.º 1403 do Batalhão de Cavalaria n.º1851 - Regimento de Cavalaria n.º 3.


Transcrição do louvor que originou a condecoração.


(Por Portaria da mesma data, publicada naquela 0rdem do Exército):


Manda o Governo da República Portuguesa, pelo Ministro do Exército, adoptar para todos os efeitos legais, o louvor conferido em Ordem de Serviço n.º 12, de 10 de Fevereiro de 1967, da Região Militar de Angola, ao Soldado n.º 312/65-M, Jorge de Almeida Lameiras, da Companhia de Cavalaria n.º 1403 do Batalhão de Cavalaria n.º 1851 — Regimento de Cavalaria n.º 3, com a seguinte redacção:

 
"Porque demonstrou possuir de forma absolutamente consciente, extraordinárias qualidades de heroísmo, coragem, valentia, desprezo pela vida e extrema abnegação no cumprimento do dever militar.


Quando se desencadeou o ataque de 26 de Julho de 1966, foi desde logo um dos elementos que mais fortemente reagiu à acção do inimigo, procurando bater e eliminar todos os núcleos que se revelavam. Ao pretender reduzir uma posição inimiga à granada de mão, verificou que uma destas, antes de explodir, rolava pela barreira em direcção a um dos seus camaradas. Consciente do perigo que esta corria, lançou-se sobre a granada e agarrou-a, evitando que continuasse o seu caminho, tendo resultado da deflagração que se seguiu, a perda da mão direita.


Com a sua estoica atitude, desprezando a sua segurança pessoal em proveito da de um camarada, até ao limite da sua própria mutilação, o Soldado Lameiras deu extraordinária prova do seu sublime espírito de sacrifício e abnegação, pelo que deve ser apontado como um exemplo e muito merecidamente ser distinguido".

 

------------------------

 

Diário de Lisboa, ed. 15303, de 24 de Julho de 1965
 
A partida do NTT 'Vera Cruz'
 
 
------------------------------------------------------------------
 
Diário de Lisboa, ed. 16060, de 3 de Setembro de 1967
 
O regresso. Chegada a Lisboa do NTT 'Uíge'
 
 
 
 JOrge-de-Almeida-Lameiras-920


 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo