.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Falecimento

Luís Patrício Miranda de Avillez, Alferes Mil.º de Infantaria 'Comando', da 32ªCCmds

 

Informação do veterano Manuel Seabra, da 32ªCCmds

Restantes elementos cedidos pelo veterano JC Abreu dos Santos

HONRA E GLÓRIA

 

Nota de óbito:

 

Faleceu, no dia 24 de Agosto de 2017, o veterano Luís Patrício Miranda de Avillez, Alferes Mil.º de Infantaria 'Comando', da 32.ª Companhia de Comandos

 

 

Luís Patrício Miranda de Avillez

 

Alferes Mil.º de Infantaria 'Comando'

 

32.ª Companhia de Comandos

 

Angola e Moçambique

 

 

Cruz de Guerra, de 3.ª classe

 

Serviu Portugal, na Província Ultramarina de Moçambique

Nascido a 21 de Março de 1950 em Cascais

- em Janeiro de 1971, soldado-cadete de infantaria n/m 00617070 do COM na EPI-Mafra, oferece-se para as tropas 'Comando' e marcha para o CIOE-Lamego, onde faz provas de avaliação para um curso de Comandos;


- em 15 de Fevereiro de 1971 embarca no AB1-Figo Maduro rumo à BA9-Luanda, acompanhado por outros 35 cadetes e numeroso grupo de cabos-milicianos, que se juntam no CIC aos praças entretanto seleccionados, a fim de iniciar no CIC/RMA o 21º Curso de Comandos;


- em 26 de Junho de 1971 conclui com aproveitamento o curso de Comandos;


- em 27 de Junho de 1971 graduado no posto de alferes miliciano e integrado na 32ªCCmds como chefe do 4º grupo de combate, a fim de cumprir missões operacionais em Moçambique;


- em 11 de Julho de 1971 embarca no porto de Luanda com a sua Companhia, no NTT 'Infante Dom Henrique', rumo ao porto moçambicano da Beira;


- em 09 de Agosto de 1971 inicia a partir de Mueda a sua actividade operacional na RMM;


- em 06 de Julho de 1973 regressa à Metrópole;


- em 01 de Junho de 1974 agraciado com a Cruz de Guerra de 3ª classe, por distintos feitos em combate.
 

---------------------------------------------------------------

- em 20Mar2002 nomeado conselheiro «para a internacionalização da economia portuguesa para o Brasil»;
- em 2006-2010 preside à Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio de Janeiro;
- em 2010-2014 ocupa o cargo de Conselheiro NATO;
- desde 2014 preside ao Conselho Consultivo da Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio de Janeiro.

---------------------------------------------------------------

 

Faleceu no dia 24 de Agosto de 2017

A sua Alma repousa em Paz.

 

 

Cruz de Guerra, de 3.ª classe

 

 

 

Alferes Miliciano de Infantaria, Comando
LUÍS PATRÍCIO MIRANDA DE AVILLEZ
 

32.ª CCmds — CIOE
MOÇAMBIQUE
 

3.ª CLASSE
 

Transcrição do Despacho publicado na OE n.º 15 - 2.ª série, de 1974.


Agraciado, com a Cruz de Guerra de 3.ª classe, nos termos do artigo 20.º do Regulamento da Medalha Militar, promulgado pelo Decreto n.º 566/71, de 20 de Dezembro de 1971, por despacho do Comandante-Chefe das Forças Armadas de Moçambique, de 01 de Junho de 1974, o Alferes Miliciano de Infantaria, Comando, Luís Patrício Miranda de Avillez, da 32.ª Companhia de Comandos — Centro de Instrução de Operações Especiais.


Transcrição do louvor que originou a condecoração.
(Publicado na OS n.º 38, de 10 de Maio de 1974, do QG/RMM):


Por seu despacho de 29Abri74, louvou o Alferes Miliciano de Infantaria, Comando, Luís Patrício Miranda de Avillez, porque, ao longo de dois meses
[dois anos] de comissão na Região Militar de Moçambique, como comandante de Grupo de Combate, sempre revelou um espírito de missão e determinação fora do vulgar, conseguindo conduzir o seu Grupo a resultados muito positivos.


Oficial extremamente corajoso e desembaraçado, dotado de excelentes qualidades de comando de tropas em campanha, incutiu nos seus homens uma forte disciplina, notável sentido de missão e elevado espírito de corpo, tornando o seu Grupo de Combate extraordinariamente coeso, determinado e agressivo, actuando sempre com assinalável eficiência em combate e demonstrando grande coragem e sangue-frio, decisão, desprezo pela vida e serena energia debaixo de fogo.


Da actividade operacional que o seu grupo desenvolveu, com muito mérito, sob o seu comando, são de salientar as operações "Barrela", "Botija 2", "Búzio", "Orchata", "Linda" e "Sitiador", tendo revelado elevada capacidade para este tipo de guerra. É de salientar a sua acção de comando na operação "Botija 2" em que, mercê da sua imaginação, persistência e decisão, conseguiu numa zona com muita população e em que a surpresa foi perdida no primeiro dia da operação, actuar com sucesso sobre a base, tendo o inimigo fugido desordenadamente, com baixas e abandonado material.


Também na operação "Sitiador, o Alferes Avillez voltou a revelar as suas qualidades de comando e combatente, pela maneira decidida e enérgica como conduziu o seu Grupo de Combate contribuindo assim para os bons resultados obtidos.


Militar inteligente, consciencioso, serenamente agressivo, soube pôr todas as suas faculdades ao serviço das missões operacionais do seu Grupo, ocupando sempre as posições da frente, levando os seus homens a vencer as dificuldades e situações adversas e desenvolvendo neles o desejo de obter resultados compensadores, afirmando-se assim um excelente condutor de homens.


Pelos actos extraordinários de abnegação e valentia, deve o Alferes Avillez ser apontado como um exemplo altamente dignificante e os seus serviços serem considerados como honrosos e prestigiantes para o Exército que tão abnegadamente serviu.

 

 


 

 

32.ª Companhia de Comandos


Identificação: 32.ª CCmds


Unidade Mobilizadora: CIOE — Lamego


Cmdt:
Cap Art Cmd Humberto Manuel Ferreira Carapeta
Cap Mil Cmd Rodrigo Leite Ribeiro Moura
 

Partida: Embarque em 05Fev71, Desembarque em 15Fev71
 

Regresso: Embarque em 06 e 13Jul73
 

Síntese da Actividade Operacional


Desembarcou em Luanda, a 15Fev71, a fim de receber instrução no CICmds de Luanda. Terminado o respectivo curso, seguiu para Moçambique a 11Jul71, tendo desembarcado na Beira, a 20 daquele mês. Alternando com períodos para repouso do pessoal em Montepuez e ilha de Moçambique, desenvolveu a actividade operacional nos distritos de Cabo Delgado, Tete e Beira. Efectuou muitas operações, nomeadamente as indicadas.

 

  Local / Base Período Operações Região / Zona
Cabo Delgado Mueda 09Ago1971 - 08Set1971 Série Libélula (5 op) N e S da picada Mueda - Miteda
Bairro Alto W da picada Mueda - Beira Nova
Nangololo 08Set1971 - 06Out1971 Série Barrela (4 op) a) Miteda, Capoca, Muatide, Muidumbe e Muera
Tete Estima 11Nov1971 - 14Jan1972 Moda Nova b) Chipera
Rafeiro 7 Nhaconhe
Rifle 3 Rio Mufa
Rifle 8 Rio Mefidze
Rifle 22 Monte Tchibué
Rifle 23 Monte Nhansita
Rampa 4 Serra Canzi
Pagode 7 Monte Caconde
Padrão 1 Rios Dzidzi e Catete
Mussacama c) 15Fev1972 - 10Abr1972 Palanca 2 Rios Condedzi, Serenguedza e Vudzi
Palanca 4 Rios Condedzi e Duembe
Falcão 3 d) Mogunda
Falcão 5 Margem esq. do rio Condedzi
Faulha 5 Margem esq. do rio Vudzi
Faulha 6 e 7 Monte Tambâni
Cabo Delgado Mueda 16Mai1972 - 15Jul1972 Botija 1 Monte Litundo
Botija 3 Rio Nimo
Búzio Monte Muávi
Orchata e) M. do Rovuma (margem S do rio Rovuma)
Linda f) Rios Muera, Muatide e Dialaquele
Tete M'Cito 10Ago1972 - 15Out1972 Mamuna 2 e 3 Rio M' Combedzi
Mamuna 4 Rio Malica
Roma 2 Lagoa Lifumba
Pascal 1 Longo do rio M' Combedzi
Mecumbura 09Nov1972 - 20Fev1973 Talismã g) Imediações da picada Nura-Mecumbura
Triunfal Cavalgada h) Entre os rios Mandangué e Luia e fronteira com a Rodésia
Tango Argentino Entre os rios Luia e Nhambia
Satélite Voador i) Nascentes do rio Daque
Tambor Real j) Rios Mono, Nhacatonde, Nhadanlala e Mecumbura
Sitiador l) Serra Mevunge
Tzarina Rio Mono
Tsé-Tsé Vales dos rios Daque, Culo-Culo e Chitope Pequeno
Sagres Rios Choe e Chicomora
Beira Canda 23Mar1973 - 22Abr1973 Série Gorro (8 op) m) Chaima, Vanduzi, Massara Gouveia, Botão e Segudzo
Cabo Delgado Mueda n) 26Mai1973 - 07Jun1973 Brasa Mueda

 

 

a) b) f) Participou


c) Destacou em 01Mar72, um grupo de combate para Caldas Xavier, (adido ao B Caç 3865)


d) Destruídas cerca de duas centenas de palhotas, muitos celeiros com toneladas de milho, feijão e arroz.

 

e) Destruída base Beira. Capturado material de guerra e outro
 

g) Destruídas duas bases e 4 celeiros com milho
 

h) Destruídas cerca de 150 palhotas, 7 celeiros com grande quantidade de milho
 

i) Destruídas bases Cabaute e Manhanda. Capturado material de guerra e outro
 

j) Destruídas duas bases e 6 celeiros com milho
 

l) Destruídas três bases. Capturada grande quantidade de material de guerra e documentos.
 

m) Patrulhamentos e contacto com a população
 

n) Destacamento de 40 elementos para participar na operação Brasa
 

Observações
História da Unidade — Caixa 90 (2.ª Div/7.ª Sec do AHM).

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo