.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Angola

ANGOLA - IMAGENS - Cedidas por ex-Combatentes ou em sites próprios

 

 

Horácio Marcelino

Condutor Auto n.º 1552/64

 

Companhia de Artilharia 1405

 

Batalhão de Artilharia 1852

 

Angola 1965 a 1967

 

 

 

2015: 50.º Aniversário da Partida do BArt1852 para a RMA

 

 

História resumida da Companhia de Artilharia 1405 e do Batalhão de Artilharia 1852

 

A unidade mobilizadora do Batalhão de Artilharia 1852 foi o Regimento de Artilharia de Costa (RAC), em Oeiras, e creio ter sido o primeiro batalhão a ser constituído no RAC.

 

O comandante do Batalhão era o Tenente-Coronel Eduardo José Teixeira Barbosa de Abreu.

 

O comandante da Companhia 1404 era o Capitão Seabra, o da 1405 o Capitão Moniz e o da 1406 o Capitão Faria Leal.

 

Após a mobilização, em Junho de 1965, a C. Art. 1405 ficou concentrada em Alcabideche e as restantes unidades em Oeiras, Parede e Cascais.

 

O embarque verificou-se , em Lisboa, na Doca da Rocha do Conde de Óbidos, a 21 de Agosto de 1965, no Paquete Vera Cruz.

 

Estado de construção da Ponte Salazar, actualmente Ponte 25 de Abril, à data do embarque, foto de familiar.

 

A chegada ao cais de Luanda deu-se a 30 de Agosto, de onde fomos transportados, de comboio, em carruagens de mercadorias para o Campo Militar do Grafanil, que distava cerca de 10 km do cais e onde, com alguma instrução militar, muito ocasional, ficámos a aguardar quando e qual seria o nosso destino.

 

Tendas onde os militares ficavam quando em trânsito

 

A 7 de Setembro, transportados em camiões civis de carga, escoltados por militares da especialidade, seguimos rumo ao Norte de Angola, para a região do Zaire, com paragens, para descanso nocturno e refeições (rações de combate), em Ambrizete e em São Salvador do Congo, actual M’Banza Congo.

 

A chegada aos aquartelamentos, sedeados junto à linha de fronteira com a República do Zaire, actual República Democrática do Congo, na Zona de Intervenção Norte (ZIN), verificou-se a 9 de Setembro. Era uma zona conhecida pela grande infiltração do inimigo (IN.) para o interior da então Província de Angola, sendo, portanto, a grande missão do batalhão evitar a tudo o custo essas incursões. O fundamental do nosso trabalho consistia no regular patrulhamento de toda a área que nos estava atribuída, o que era feito em operações de patrulhamento a pé, por caminhos (trilhos e picadas) em que tínhamos de vencer os mais diversos obstáculos, sem contar aqueles em que era necessário enfrentar o IN. Operações havia em que, pela distância, as deslocações se iniciavam ou terminavam com as colunas militares auto transportadas.

 

 

 Mapa da região onde as unidades do B. Art. 1852 ficaram cerca de dezassete meses

 

O B. Art. 1852 rendeu o B. Cav. 631, que havia substituído o B. Caç. 595. A partir de 1961, e até 1963, a defesa da Mamarrosa, Luvo, Canga e M’Pozo foi da responsabilidade da C. Art. 102, da C. Sap. 151, de unidades que integravam o B. Cav. 345, comandado pelo então Tenente-Coronel Spínola,  e da C. Caç. 379. No início da guerra colonial, o aquartelamento de M’Pozo dependia militarmente dos comandos sedeados na Mamarrosa e depois passou a depender de Nóqui. O aquartelamento da Magina só ficou concluído em Março de 1963.

 

As companhias ficaram instaladas nos seguintes locais:

 

- A CCS na Mamarrosa, a cerca de 58 km de São Salvador, onde havia uma fazenda de café e uma serração, ambas propriedade da Empresa Salvador Beltrão Coelho, em que trabalhavam cerca de setenta trabalhadores Bailundos e um capataz continental, de nome Garcia;

 

- A C. Cart. 1404 na Canga, aquartelamento localizado a cerca de 60 km de São Salvador, no itinerário para M’Pozo e Nóqui, que distava cerca de 23 km da Mamarrosa. O aquartelamento da Canga foi desactivado em finais de setembro de 1974;

 

- A C. Cart. 1405 na Magina, aquartelamento situado numa clareira da Mata do Luvo, onde até o campo de futebol era inclinado, ao cimo de uma ravina com cerca de 2 km, após passagem pela ponte do rio com o mesmo nome, distante cerca de 85 km de São Salvador, no itinerário para Buela e Pangala, com passagem pela Mamarrosa, da qual distava cerca de 43 km (Crachá da C. Art. 1405, do autor);

 

-  A C. Cart. 1406 no Luvo, posto fronteiriço onde havia autoridades administrativas, aduaneiras e de segurança (ex-PIDE), localizado a cerca de 60 km de São Salvador, com passagem pela Mamarrosa, da qual distava cerca de 8 km. Esta companhia, para além das tarefas militares que lhe estavam atribuídas, prestou protecção, durante alguns meses, à Junta Autónoma das Estradas de Angola (JAEA), que fazia a reconstrução da estrada São Salvador-M’Pozo. A JAEA partiu em Maio de 1966, vindo depois, a partir de meados de Novembro, a Engenharia Militar continuar a mesma obra, também sob protecção militar.

 

As unidades reabasteciam-se, em regra, uma vez por semana em São Salvador do Congo, cidade servida por aeroporto, com pista de terra batida, onde estava instalado o comando militar da ZIN.

 

Foram cerca de dezassete meses em locais que obrigavam a imensa actividade militar, em constantes operações, algumas durante dias consecutivos. As companhias sedeadas na Canga e na Magina eram as que estavam mais isoladas e expostas à actividade do IN. Desse período há a lamentar uma baixa, em consequência de emboscada a uma coluna da C. Art. 1404, a 06-01-1967, quando regressava do reabastecimento em São Salvador, e diversos feridos, alguns com gravidade, obrigando à sua evacuação, em resultado de outras ocorrências militares, como o accionamento de mina AC, em Maio de 1966, e de acidentes com origens diversas.

 

 Consequências da mina AC, foto do autor).

 

O aquartelamento da Magina, além da localização isolada e distante de outros polos militares, debatia-se com grandes problemas nas movimentações autotransportadas, face aos muitos obstáculos e à constante degradação, devido às chuvas, das vias rodoviárias que o serviam. Diversas vezes ficámos retidos na Mamarrosa, porque as chuvas nocturnas impossibilitavam a deslocação para o aquartelamento, dados os perigos de atravessar a Floresta do Binda, nas margens do Rio Luvo, e nas encostas adjacentes a este rio.

 

Militares puxando o cabo do guincho de Unimog na subida das matas do Luvo

 

A água, para todos os fins, era obtida no Rio Luvo, junto à ponte, distante cerca de 2 km do aquartelamento.

 

Carregando a água

 

Muitas vezes, devido às intempéries e ao estado das vias rodoviárias, as deslocações a São Salvador, para reabastecimento, tinham de ser feitas por Pangala e Calambata, e outras, no regresso à Magina, por Calambata, Cuimba e Buela, o que obrigava a percorrer quase o dobro dos quilómetros, cerca de 150.

 

Placa junto ao cruzamento da Magina para Buela e Pangala

 

Na Magina, além de outras missões militares, um pelotão percorria diariamente os morros em volta do aquartelamento, na chamada volta dos tristes, para evitar que o IN flagelasse o mesmo a partir daqueles locais.

 

 

Morros frontais ao aquartelamento

 

Finalmente, a 15 de Fevereiro de 1967, fomos rendidos por unidades do B. Caç. 1900, a que se seguiram os B. Caç. 1930 e 2890, e depois também pelas C. Caç. 2676 e 3413. A última unidade a deixar a Mamarrosa foi a C. Cav. 8453 (Os Felinos), que saiu para Luanda em outubro de 1974. A independência de Angola sucede a 11 de Novembro de 1975.

 

O aquartelamento da Magina, construído pela C. Sap. 151 desde finais do primeiro trimestre de 1963 até Março de 1971, data em que foi desactivado, esteve à responsabilidade das seguintes unidades: C. Caç. 428, C. Caç. 535, C. Cav. 628, C. Art. 1405, C. Caç. 1652, C. Caç. 1783, C. Caç. 1782 e C. Art. 2475; as C. Caç. 2676 e 2609 acompanharam a sua desactivação.

 

Aquartelamento da Magina (foto de autor desconhecido)

 

A deslocação do B. Art. 1852 para a zona da região de Benguela demorou quatro dias, após paragens, para passar as noites, em Ambrizete, Luanda e Novo Redondo.

 

A CCS do batalhão ficou sedeada no Lobito, a C. Art. 1404 na Gabela, a C. Art. 1405 em Benguela e a C. Art. 1406 em Quibala. Algumas companhias tiveram desdobramentos, com pelotões colocados em povoações como  Calulo, Gamba (Camacupa-Vila General Machado), Cela, Cubal, Vila Norton de Matos (Balombo), etc.

 

O B. Art. 1852 embarcou, a 16 de Agosto de 1967, em Luanda, no Paquete Vera Cruz, tendo chegado a Lisboa, ao mesmo local de onde havia partido, no dia 24 do mesmo mês

 

Foto extraída do ciberespaço:

Paquete «Vera Cruz»

 

Foto extraída do ciberespaço:

Ponte Salazar [25 de Abril], inaugurada no dia 6 de Agosto de 1966

 

 

Horácio Tavares Marcelino,

ex-soldado condutor auto n.º 1552/64, junto do unimog ME-52-02 que lhe estava atribuído na Magina

 

 

 

Este trabalho foi conseguido com base em apontamentos pessoais, registos de comentários constantes do Blogue da C. Caç. 3413, da «Cronologia da C. Art. 1406», do ex-Alferes Miliciano Arlindo Correia, e o insubstituível apoio, à distância, do ex-Alferes Miliciano Secundino Eira, da C. Art. 1405.

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo