.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

 

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Angola

Honra e Glória - Fernando Augusto Colaço Leal Robles, Medalha de Prata de Valor Militar com Palma
 
Elementos cedidos por um colaborador do portal UTW
 
HONRA E GLÓRIA
 

 
Fernando Augusto Colaço Leal Robles
 
Alferes Mil.º de Infantaria
 
Companhia de Caçadores Especiais 67
 
(6.ª Companhia de Caçadores Especiais)
 
Angola: 1961 a 1963
 
Medalha de Prata de Valor Militar com palma
 
 
 
Fonte:
Jornal do Exército, ed. 45, Set1963
 
O ALFERES ROBLES, HERÓI DE ANGOLA, DISSE:

Quem se habituou à luta em terras africanas, quem ali viveu e vive horas de combate, que são serviços da Pátria, não pode nem sabe usar outra linguagem, perante o Chefe do Governo, que não seja a linguagem crua da verdade, recta e firme como a ponta das lanças. Sou um combatente, um de entre tantos, uma voz de soldado que afirma a V. Ex.ª, com a certeza de que interpreta o pensamento de todos, que ali, na frente mais dura desta batalha, ali onde se luta e morre, e se escrevem com sangue páginas de história, ali no meio dos soldados, não há outro pensamento, nem outro intento, que não seja o de dedicação exclusiva ao serviço de Portugal.

É com perfeita limpidez de consciência que todos combatem e sofrem, é com a certeza do dever cumprido que todos chegam ao fim da jornada. Na vanguarda não há descrença, sr. Presidente! Nas primeiras linhas não há desânimo nem ideias pecaminosas de abandono ou desistência, sr. Presidente!

Ali vivem-se horas de fé e de coragem, e nas almas dos soldados, que somos todos nós, reside a certeza da vitória final e, a par dela, a certeza do dever cumprido - primeiro sentimento de quem veste uma farda e jurou defender a Pátria!

Recebemos a seiva do passado e pensamos que, antes de nós, e para que nós pudéssemos estar ali, orgulhosamente, outros portugueses e outros soldados, de gerações que passaram, regaram aquelas plagas com sangue e com lágrimas e com suor - heróis de antanho que nos legaram o exemplo admirável de como se criam e exaltam e redimem as nações! São os heroicos navegadores de naus e caravelas, os implantadores de padrões, os que esventraram a terra, depois de singrarem o mar, os que fizeram florescer e frutificar as terras e as gentes, os corpos e as almas do Portugal atlântico e universalista! São, ainda, os Mouzinhos, os Palvas, os Ornelas e os Pereira d'Eça, os que escreveram, em África, com as suas baionetas de soldados, em defesa da Pátria contra as cobiças das potências - tal como hoje, tal como hoje! - algumas das páginas mais belas do Portugal do século passado.

Pela minha voz fala a voz dos combatentes, sr. Presidente do Conselho! Que maior honra pede um militar do que defender a Pátria e por ela jogar a vida? Que maior glória, do que, desse modo, participar da própria existência espiritual da Nação? É este o nosso sentimento, o nosso estado de espírito, o sentimento e o estado de espírito da tropa combatente. Havemos de vencer, e Portugal há-de prosseguir a sua trajectória histórica de país repartido pelo Mundo em pedaços de carne e alma.

Sr. Presidente do Conselho: os que se batem na primeira linha nada mais pedem do que a firmeza da retaguarda! Não gratidão ou reconhecimento, que não é devido a quem está cumprindo o seu dever, mas lealdade, mas coragem, mas confiança, mas inteireza, onde não caiba o comodismo nem a torpeza da desistência. Nada mais pedimos senão que a retaguarda cumpra também o seu dever, como nós estamos cumprindo o nosso. Esta guerra, sabem-no todos, nunca se perderá na Africa, mas poderia perder-se em Lisboa! Pois o que nós pedimos é tão somente que a nossa gente dê mostras de igual espírito de fé e de confiança.

Quanto ao Governo, sabemos nós que, fiel intérprete do sentimento do povo, não deixará abrandar a vigilância por um só momento e não deixará entrar o temor em seu seio. A presença de V. Ex.ª, sr. dr. Oliveira Salazar, à frente do Governo da Nação, é para nós o penhor e o aval da própria história. E quanto ao povo português, que mais poderemos pedir-lhe se, além de nos dar os filhos para serviço da Pátria, ainda vem aqui, em presença de multidão incontável, nesta manifestação nacional, dizer a todos e ao Governo que podem contar com ele, e que os seus filhos deixam de pertencer-lhe, quando a Pátria lho exige? Que mais quer V. Ex.ª, sr. Presidente do Conselho, para saber que pode contar com o povo português?

E que mais seria preciso para saber que conta com os soldados e com as Forças Armadas?
 
 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo