.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

 

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Condecorações

Valentim Joaquim Lourenço, Soldado de Cavalaria, da CCav1466: Cruz de Guerra de 4.ª classe

 

  "Pouco se fala hoje em dia nestas coisas mas é bom que para preservação do nosso orgulho como Portugueses, elas não se esqueçam"

 

Barata da Silva, Vice-Comodoro

 

HONRA E GLÓRIA

Fontes:

5.º Volume, Tomo V, pág. 260, da RHMCA / CECA / EME

7.º Volume, Tomo I, pág.s 489 e 490, da RHMCA / CECA / EME

8.º Volume, Tomo I, Livro I, pág.s 489 a 491, da RHMCA / CECA / EME

Jornal do Exército, ed. 139, pág. 25, de Julho de 1971

Diário de Lisboa, ed. 15421, pág. 13, de 20 de Novembro de 1965

Diário de Lisboa, ed. 16199, pág. 8, de 24 de Janeiro de 1968

Apoio de um colaborador do portal UTW

Imagens dos distintivos cedidas por Carlos Coutinho

 

 

Valentim Joaquim Lourenço

 

Soldado de Cavalaria, n.º 07057265

 

Companhia de Cavalaria 1466

 

Batalhão de Cavalaria 1868

 

«NA GUERRA CONDUTA MAIS BRILHANTE»

 

Angola: 29Nov1965 a 14Jan1968

 

Cruz de Guerra de 4.ª classe

 

 

Valentim Joaquim Lourenço, Soldado de Cavalaria, n.º 07057265, natural da freguesia de Pera do Moço, do concelho e distrito de Guarda.


Mobilizado pelo Regimento de Cavalaria 3 (RC3 - Estremoz) para servir Portugal na Província Ultramarina de Angola integrado na Companhia de Cavalaria 1466 (CCav1466) do Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868) «NA GUERRA CONDUTA MAIS BRILHANTE», no período de 29 de Novembro de 1965 a 14 de Janeiro de 1968.


Agraciado com a Medalha da Cruz da Guerra de 4.ª classe, publicado na Ordem de Serviço n.º 39, de 15 de Março de 1968, do Quartel General da Região Militar de Angola, e na Ordem do Exército n.º 27 - 3.ª série, de 1968
 

Cruz de Guerra de 4.ª classe

 

 

 

Soldado de Cavalaria, n.º 07057265
VALENTIM JOAQUIM LOURENÇO

 

CCav1466/BCav1868 - RC3
ANGOLA
 

4.ª CLASSE
 

Transcrição da Portaria publicada na Ordem do Exército n.º 27 - 3.ª série, de 1968.


Por Portaria de 27 de Agosto de 1968:


Manda o Governo da República Portuguesa, pelo Ministro do Exército, condecorar com a Cruz de Guerra de 4.ª classe, ao abrigo dos artigos 9.º e 10.º do Regulamento da Medalha Militar, de 28 de Maio de 1946, por serviços prestados em acções de combate na Província de Angola, o Soldado n.º 07057265, Valentim Joaquim Lourenço, da Companhia de Cavalaria n.º 1466 do Batalhão de Cavalaria n.º 1868 - Regimento de Cavalaria n.º 3.


Transcrição do louvor que originou a condecoração.


(Publicado na Ordem de Serviço n.º 39, de 15 de Maio de 1968, do Quartel General da Região Militar de Angola (QG/RMA):


Louvado o Soldado n.º 07057265, Valentim Joaquim Lourenço, da Companhia de Cavalaria n.º 1466 do Batalhão de Cavalaria n.º 1868, porque, durante os vinte e dois meses em que actuou em vários locais da ZIN (zona de intervenção norte), em Angola, demonstrou constantemente perfeito sentimento do dever, desembaraço e grande coragem.


Tendo tomado parte na totalidade das operações em que a sua Companhia se empenhou, ocupou, no seu Grupo de Combate, os lugares de maior risco, demonstrando debaixo de fogo inimigo, serenidade, energia e sangue frio exemplares.


De todas as acções de combate em que interveio, são de salientar as que realizou nos Sectores D e Q onde a sua resistência física e grande determinação ficaram bem patentes.


O seu espírito de sacrifício e desejo de bem servir, aliados às suas qualidades inatas de combatente ardoroso e bravo, fazem do Soldado Lourenço um exemplo a apontar a todos os seus camaradas e tornam-no um extraordinário militar que muito prestigiou a sua Unidade e o Exército a que pertence.

 

------------------------------------------------------------------

 

Jornal do Exército, ed. 139, pág. 25, de Julho de 1971

 

SOLDADO VALENTIM JOAQUIM LOURENÇO
MEDALHA DA CRUZ DE GUERRA DE 4.ª CLASSE

Foi condecorado com a medalha da Cruz de Guerra de 4.ª classe, o Soldado VALENTIM JOAQUIM LOURENÇO, «
porque, durante os 24 meses em que actuou em Angola, demonstrou constantemente perfeito sentido do dever, desembaraço e grande coragem.


Tendo tomado parte na totalidade das operações em que a sua Companhia se empenhou, ocupou no seu Grupo de Combate os lugares de maior risco, demonstrando debaixo de fogo inimigo serenidade, energia e sangue-frio exemplares.


De todas as acções de combate em que interveio, são de salientar as que realizou nos Sectores D e Q onde a sua resistência física e grande determinação ficaram bem patentes.


O seu espírito de sacrifício e desejo de bem servir, aliados às suas qualidades natas de combatente ardoroso e bravo, fazem do Soldado LOURENÇO um exemplo a apontar a todos os seus camaradas e um extraordinário militar que muito prestigiou a sua Unidade e o Exército a que pertence
».
 

 

------------------------------------------------------------------

 

Batalhão de Cavalaria N.º 1868


Identificação:
BCav1868


Unidade Mobilizadora:

Regimento de Cavalaria 3 (RC 3 - Estremoz)


Comandante:
Tenente-Coronel de Cavalaria João Pedro de Almada Saldanha Quadros e Gouveia


2.° Comandante:
Major de Cavalaria Dionísio de Almeida Santos


Oficial de Informações e Operações / Adjunto:
Capitão de Cavalaria Arnaldo Eduardo Souto Pires
Capitão de Cavalaria António José Pereira Calixto
 

Comandantes de Companhia:
 

Companhia de Comando e Serviços (CCS):
Capitão do Serviço Geral do Exército António dos Santos
 

Companhia de Cavalaria 1464 (CCav1464):
Capitão de Cavalaria Carlos Alberto Pereira Gomes da Silva
Capitão de Cavalaria Rui Manuel de Almeida Trigueiros de Sampaio
 

Companhia de Cavalaria 1465 (CCav1465):
Capitão de Cavalaria Rui Mamede Monteiro Pereira
 

Companhia de Cavalaria 1466 (CCav1466):
Capitão de Cavalaria Viriato Manuel Assa Castel-Branco


Divisa:
"Na Guerra Conduta Mais Brilhante"


Partida:

Embarque no dia 20 de Novembro de 1965, no NTT «VERA CRUZ»; desembarque em Luanda no dia 29 de Novembro de 1965


Regresso:
Embarque no dia 14 de Janeiro de 1968, no NTT «VERA CRUZ»; desembarque em Lisboa no dia 23 de Janeiro de 1968 - Dia 24 de Janeiro de 1968: Recepção em Estremoz


Síntese da Actividade Operacional
O Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868) foi destinado ao subsector de Tomboco, no Sector A, da ZIN (Zona de Intervenção Norte), onde rendeu o Batalhão de Caçadores 514 (BCac514) e assumiu a responsabilidade da ZA (zona de acção) em 19 de Dezembro de 1965.


O dispositivo foi o seguinte:


Comando, Companhia de Comando e Serviços (CCS) e Companhia de Cavalaria 1464 (CCav1464) em Tomboco, esta posteriormente em Zau-Évua; a
Companhia de Cavalaria 1465 (CCav1465), - sucessivamente, em Quinzau e Tomboco; a
Companhia de Cavalaria 1466 (CCav1466) em Casa da Telha, Zau-Évua e Quinzau por esta ordem e a
7.ª Companhia de Caçadores do Regimento de Infantaria de Luanda, da Guarnição Normal (7ªCCaç/RIL - GN) no Lufíco.
 

Havia destacamentos em Quiaia e Casa da Telha.
 

Em Dezembro de 1966, a Companhia de Cavalaria 1466 (CCav1466) foi cedida ao Comando do Sector A (ComSecA), e ao Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868) foi atribuída como reforço a Companhia de Caçadores 771 do Batalhão de Caçadores 774 (CCac771/BCac774), no Lufico;


Também em Janeiro de 1967 a Companhia de Caçadores 1435 (CCac1435), reforçou o Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868), no Quiende; o


Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868) destacou para actuação fora do Sector, na operação "Quissonde", por diversos períodos, duas das suas Companhias.


Na ZA (zona de acção) embora o inimigo não se fixasse, fazia actuar poderosos grupos móveis que desencadearam emboscadas nos itinerários, causando fortes baixas às Nossas Tropas, como em 22 de Janeiro de 1966, 16 de Junho de 1966 e 9 de Julho de 1966 (nota).


Das operações das Nossas Tropas destacam-se pelas baixas, material capturado e destruição de instalações:


"Vale do Rio Luso",
"Tira Dúvidas" e
"Perseguição e Batida", saldando-se esta por uma extraordinária quantidade e qualidade de material apreendido - armas, munições e material logístico.


Em 28 de Fevereiro de 1967, após uma remodelação do dispositivo, o subsector foi integrado no Sector E passando à dependência do Comando de Agrupamento 26 (CmdAgr26).


Em 12 de Março de 1967, o Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868) foi rendido pelo Batalhão de Caçadores 1903 (BCac1903) e rodou para o Sector B2, com sede em Catete, onde rendeu o Batalhão de Artilharia 753 (BArt753); assumiu a responsabilidade da ZA (zona de acção) em 16 de Março de 1967.


O dispositivo foi o seguinte:
Comando e Companhia de Comando e Serviços (CCS) em Catete, a
Companhia de Cavalaria 1465 (CCav1465) em Calomboloca e depois em Cassoneca, a
Companhia de Cavalaria 1464 (CCav1464), em Zenza do Itombe e a
Companhia de Cavalaria 1466 (CCav1466) em Barraca;


Recebeu como reforço, sucessivamente, as Companhias de Caçadores 101, 102 e 103 do Regimento de Infantaria de Luanda (CCac101, 102, 103/RIL) em Cabo Ledo.


Na ZA (zona de acção), o controlo das populações assumia carácter prioritário com uma actividade operacional de resto sempre intensa, obtendo-se resultados compensadores, quer por subunidades cedidas a outros sectores da ZIN (Zona de Intervenção Norte), quer na própria ZA (zona de acção) do Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868), como nas operações


"Muralha", "
Apoio" e
"Estreia".


Em 9 de Janeiro de 1968, o Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868) foi rendido pelo Batalhão de Caçadores 1901 (BCac1901).

 

(nota)

 

No dia 9 de Julho de 1966, entre a ponte do Rio Lué Grande e a antiga Sanzala Baio, no itinerário após a saída do Lufico, a 7.ª Companhia de Caçadores do Regimento de Infantaria de Luanda (7ªCCac/RIL), adstrita ao Batalhão de Cavalaria 1868 (BCav1868), sofreu 5 baixas mortais e 16 feridos graves (um dos quais veio a falecer no dia seguinte):

 

Afonso José Clemente Lopes

 

Afonso José Clemente Lopes, 1.º Cabo Mil.º Atirador, n.º 930/65, natural da freguesia e concelho do Luso, em Angola, filho de Afonso Fernandes Lopes e de Gracinda da Conceição Clemente Lopes, solteiro.

 

Mobilizado pela Escola de Aplicação Militar de Angola (EAMA) da Região Militar de Angola para servir Portugal naquela Província Ultramarina.

 

Faleceu no dia 9 de Julho de 1966, vítima de ferimentos em combate.

 

Está inumado no cemitério do Luso, em jazigo de família, em Angola.

 

Carlos Alberto da Costa

 

Carlos Alberto da Costa, 1.º Cabo Mecânico de Auto Rodas, n.º 881/64, natural da freguesia e concelho de Tábua, filho de Arnaldo da Costa e de Luiza dos Prazeres da Costa, solteiro.

 

Mobilizado pela Região Militar de Angola para servir Portugal naquela Província Ultramarina.

 

Faleceu no dia 9 de Julho de 1966, vítima de ferimentos em combate.

 

Está inumado na campa n.º 15, fileira n.º 2, talhão n.º 10, no Talhão dos Combatentes, do cemitério de Nova Lisboa, em Angola.

 

Carlos Alberto dos Santos

 

Carlos Alberto dos Santos, Soldado Auxiliar de Enfermeiro, n.º 737/65, natural da freguesia de Santo António, concelho do Libolo (Angola), filho de José dos Santos e de Cristina de Aguiar, solteiro.

 

Mobilizado pela Região Militar de Angola para servir Portugal naquela Província Ultramarina.

 

Faleceu no dia 9 de Julho de 1966, vítima de ferimentos em combate.

 

Está inumado no cemitério de Calulo, em Angola.

 

Dionísio de Almeida Feliciano

 

Dionísio de Almeida Feliciano, 1.º Cabo Atirador, n.º 824/65, natural da freguesia do Carmo, concelho de Luanda (Angola), filho de Joaquim Feliciano dos Santos Sobrinho e de Ana Laurinda de Almeida, também conhecida por Ana de Almeida Feliciano, solteiro.

 

Mobilizado pela Região Militar de Angola para servir Portugal naquela Província Ultramarina.

 

Faleceu no dia 9 de Julho de 1966, vítima de ferimentos em combate.

 

Está inumado no cemitério de Luanda, em jazigo de família, em Angola.

 

Florentino Vitula

 

Florentino Vitula, Soldado Atirador, n.º 34/65, natural do lugar de Canjanja, da freguesia de Chipindo, concelho de Ganguelas (Angola), filho de André Caveia e de Changuendela Chilombo Uandi, solteiro.

 

Mobilizado pela Região Militar de Angola para servir Portugal naquela Província Ultramarina.

 

Faleceu no dia 10 de Julho de 1966, vítima de ferimentos em combate, ocorrido no dia 9 de Julho de 1966.

 

Está inumado na campa n.º 246, do Talhão Militar do cemitério Novo de Luanda, em Angola.

 

As suas Almas repousam em Paz

 

------------------------------------------------------------------

 

Notícia: Diário de Lisboa, ed. 15421, pág. 13, de 20Nov1965

 

Embarque do Batalhão de Cavalaria 1868 com destino à Província Ultramarina de Angola

 

 

 

------------------------------------------------------------------

 

Notícia: Diário de Lisboa, ed. 16199, pág. 8, de 24Jan1968

 

Regresso do Batalhão de Cavalaria 1868 - RECEPÇÃO EM ESTREMOZ

 

 

 

------------------------------------------------------------------

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo