.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Livros

Trabalhos, textos sobre a Guerra do Ultramar ou livros

 

 

Manuel Carlos Marques Pinto

 

Manuel Carlos Marques Pinto, nasceu em Braga, em 15 de Outubro de 1944.

 

Foi Alferes Miliciano de Cavalaria das Auto-Metralhadoras Ligeiras, com predominância na especialidade "Panhard". Esteve vinte e quatro meses em Moçambique, dezasseis dos quais (entre Julho de 1971 e Outubro de 1972) no Esquadrão de Cavalaria n.º 1, sediado em Macomia, Cabo Delgado, one comandou um pelotão operacional.

 

É licenciado em História (U.C.), foi professor de História no Ensino Secundário e Inspector do Ministério da Educação.

 

MNa sua juventude fez parte de grupos culturais na cidade natal - Braga -, tendo posteriormente (nos anos sessenta) integrado o Teatro Universitário - TEUC - Coimbra.

 

Tem colaborado em vários jornais, para além de ter sido Director-Adjunto do jornal regional "O Povo da Barca" e leccionar na Universidade Sénior de Ponte da Barca.

 

«O Cruzar de Memórias»

Nota: os escritos e imagens que se seguem foram extraídas

do livro por um membro da equipa UTW

 

título: «O Cruzar de Memórias»

autor: Manuel Carlos Marques Pinto, ex- Alferes Mil.º de Cavalaria

execução gráfica: Tip. Artes Gráficas Bacelar & Irmãos, Lda.

Local e data de edição: Ponte da Barca, Maio de 2013

 

Prefácio:

 

[...] Como à data era comum acontecer, a dureza da missão, o sofrimento e o risco de vida potenciavam o sentido de camaradagem e a amizade, entre outros valores. Neste contexto se gerou um sólida relação de amizade, definidora de sentimentos puros e verdadeiros, que se têm cimentado e perdurado ao longo dos anos, e já lá vão quarenta. [...]

 

[...] Numa escrita escorreita e simples, utilizada na descrição de factos, emoções e vivências diversas, Manuel Carlos narra os diferentes acontecimentos vividos durante quatro anos, em tons diversos, consoante o destino vai pincelando a sua vida, e transmitindo ao leitor uma noção realista das ocorrências, sem mesmo se eximir de descrever factos trágicos. [...]

 

[...] Orgulho-me de ter partilhado com o autor certos momentos que descreve, alguns dos quais dos mais problemáticos por que passou na sua vida, mas que o terão ajudado a moldar a sua personalidade, e a definir a sua conduta ao longo da vida.

 

Ao ler as brilhantes páginas que constituem este desfilar de recordações, revi-me em muitas das descrições ali contidas, desde as que relembram Coimbra, por onde também passei, às de Mafra, onde igualmente em Janeiro senti o frio cortante da aragem envolvente, e a humidade das seculares paredes do convento, às do Porto, Boane, Nampula, Porto Amélia e Macomia.

 

Neste deambular pelo mundo, e nos sortilégios da vida, conheci no RC6 (Regimento de Cavalaria do Porto) o irmão do autor, João Maria, com quem colaborei na preparação e formação do pelotão que iria de seguida comandar em Moçambique. Longe estava eu de pensar, na ocasião, que meses mais tarde conheceria o seu irmão Manuel Carlos. Tendo-nos encontrado os três em simultâneo em Moçambique, vivemos assim, em comum, um cenário de vida bem diferente do das cidades Invicta e dos Arcebispos. [...]

Luís Coimbra

 

Introdução

 

Estas pequenas notas de um tempo que marcou a vida de milhares de muitos jovens e suas famílias, ao longo de mais de uma década dos anos sessenta e setenta e que se repercutiu, inevitavelmente, até aos nossos dias, aparecem, não só porque fui um dos seus participantes, mas também por uma obrigação de cidadania para transmitir às gerações seguintes. É, como é evidente, uma visão muito pessoal, com algumas perspectivas, julgo eu, nem sempre consensuais, que começam bem antes e vão para além da minha participação efectiva na Guerra Colonial, mas, em nome da verdade que nunca poderá ser traída, com o rigor histórico total, no que concerne ao meu envolvimento em vários acontecimentos, sobretudo em teatro de guerra. Imagino que estas notas poderão ser úteis - passe a imodéstia - a quem, daqui a muitos anos, quiser escrever sobre esse período conturbado da nossa História.

Também gostaria de deixar, em jeito de homenagem, desejo e também respeito pela memória de muitos, alguns agradecimentos e evocações:

 

- A todos os meus ex-camaradas que, ao longo de todo o tempo do serviço militar viveram e conviveram comigo, muito especialmente toda a "malta" do Esquadrão de Cavalaria nº 1 - Macomia - Cabo Delgado - Moçambique - (desde do Comandante - Capitão Luís Coimbra ao soldado mais soldado) onde permanecia maioria do meu tempo de tropa.

 

- A todos os desalojados das suas terras e fazendas que nasceram, viveram e labutaram nesses grandes espaços africanos - independentemente da sua cor de pele - a minha grande solidariedade pelas injustiças de que foram alvos, por culpa de muitos erros históricos e políticos.

 

- A todos os meus amigos e não só, que morreram ou ficaram gravemente feridos, quer física ou psicologicamente e a todos os que, apesar de sobreviverem, ainda hoje sofrem.

 

-A todos os meus familiares que me apoiaram nesta difícil jornada - mãe, irmãos - João e José - e demais parentes, e amigos bracarenses, alguns dos quais, infelizmente, porque já partiram na luta contra outros "combates", não poderão ler estas notas.

 

- À Lurdes, companheira de uma vida, que, desde de muito cedo, também começou a viver a angústia daquela partida que se adivinhava que iria acontecer e a incerteza sempre constante do tempo da vida militar, sobretudo a vivida lá ao longe, muito longe...

 

- Ao Nuno e às netas Inês e Salomé com o desejo sincero que o vosso viver seja longo e que nunca sintam, em qualquer etapas das vossas vidas, os caminhos tortuosos que todas as guerras (que são sempre passos errados da humanidade) trazem, a todos (as) que nelas participaram, quer directa ou indirectamente.

 

Manuel Carlos Pinto

Abril de 2012

Índice

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo