.

 

Início O Autor História A Viagem Moçambique Livros Notícias Procura Encontros Imagens Mailing List Ligações Mapa do Site

Share |

Brasões, Guiões e Crachás

Siga-nos

Fórum UTW

Pesquisar no portal UTM

Livros

Que diferença para Portugal!

Enviado por vários Veteranos da Guerra do Ultramar

 

José Alberto de Moura Calheiros

 

José Alberto de Moura Calheiros, nasceu em 13Ago1936 no Peso, Covilhã. Frequentou o Curso de Infantaria da Escola do Exército (1954-1957).

 

Ingressou em 1959 nas Tropas Pára-quedistas, onde concluiu o 5º Curso de Pára-quedismo militar e obteve o Brevet nº 358.

 

Cumpriu três comissões de serviço no Ultramar – Angola (1963-1965) e Moçambique (1967-1969) como comandante de Companhia de Pára-quedistas e Guiné (1971-1973) como 2º Comandante e Oficial de Operações do BCP12, COP4 e COP5 e Comandante do COP3.

Em Tancos, foi Comandante do Batalhão de Instrução, Comandante do Regimento de Caçadores Pára-quedistas e Comandante da Escola de Tropas Pára-quedistas.

 

Nos seus três últimos anos de actividade como militar (1977-1981) desempenhou funções de Chefe do Estado Maior do Corpo de Tropas Pára-quedistas.

 

Passou à situação de Reserva em Fevereiro de 1981.

 

Licenciado em Finanças pelo ISCEF – Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, passou então a desempenhar funções de técnico economista no Ministério da Indústria, IPE – Instituto de Participações do Estado e na Direcção Financeira de empresas. Mais tarde dedicou-se à gestão de empresas.

 

Hoje está reformado e afastado de qualquer actividade profissional.

 

"Que diferença para Portugal!"

 

Texto de José Alberto de Moura Calheiros,

Coronel de Infantaria Pára-Quedista na situação de reforma

 

Que diferença para Portugal!  

 

Aqui, em Portugal, temos medo de abrir "caixas de Pandora", se trouxermos os mortos cujas Famílias o desejem! Repito, cujas Famílias o desejem, nada mais!   

 

Meu Deus! Até disso temos mêdo! No Canadá, pelo que aqui se vê, não têm mêdo de caixas de Pandora!   

 

Na Austrália, as Forças Especiais S.A.S., ao fim de vinte anos de permanente pesquisa (vinte anos!, leram bem?), encontraram agora os seus últimos quatro militares mortos no Vietname e foram buscá-los! E sabem quem foi ao Vietname buscá-los? O Governo e os Chefes de Estado Maior, entre outros! Fizeram funerais nacionais! Eu sei que em alguns círculos militares se acha que, a haver transladações desde o ex-nosso Ultramar, os funerais devem ser feitos da forma mais discreta possível (!!!!!!!!!!!!!!), sem que ninguém os veja (!!!!!!!!!!!)! Canadianos, australianos e tantos outros cidadãos do mundo pelos vistos não pensam assim, pensam como eu!   

 

Lá não conhecem ou pelo menos não receiam Caixas de Pandora! E também ainda não assumiram no seu Código de Honra que é uma honra para os militares serem enterrados no campo de batalha!!!!!!! Para mim, isto brada aos céus!!!!! Que barbaridade! Aquelas não são certamente Forças Armadas sem honra! Já agora, mais honroso ainda, seria ser abandonado no campo de batalha para ser "honrosamente" comido pela aves de rapina e outros predadores! Esta, então deve ser a "suprema honra"!

 

Quando havia dificuldades de transporte ou aspectos psicológicos a nível nacional a resguardar, compreendia-se que os mortos fossem enterrados no país onde faleciam. Mas hoje comemos maçãs da Austrália, uvas da África do Sul, bananas da Colômbia!   

 

Fique a saber quem ler este mail, que várias Famílias portuguesas têm ido buscar os seus familiares mortos ao serviço da Pátria e que têm sido obrigados a pagar tudo de seu bolso! E é muito dinheiro! Em Moçambique até tiveram que pagar no consulado a documentação necessária à transladação! Da qual foram isentas pelas autoridades de Moçambique! Merda de Políticos! (Peço desculpa, mas é a palavra mais adequada!) 

 

A LIGA DOS COMBATENTES propôs em devido tempo ao Ministério da Defesa que fossem custeadas pelo Estado todas as despesas de transladação dos combatentes que estão em África e cujas Famílias a desejassem! O Governo recusou! 

 

E porque não dizer de nós, militares do Q.P., o mesmo que aqui afirmo dos políticos, ao permitirmos uma coisa destas! Somos ainda piores que eles, pois fomos Comandantes daqueles rapazes e permitimos isto! 

 

O que pensam disto os nossos Chefes Militares?  Vamos abandonar as Famílias dos nossos camaradas mortos em combate e que eventualmente desejem a sua transladação? Nós, militares, devíamos pedir-lhes para serem eles a liderar este processo, na sua qualidade de lideres da Instituição Militar!

 

Como, aliás, muito dignificaram com a sua presença os funerais dos três Pára-quedistas mortos em Guidage em 1973!     

 

O que me custa suportar é saber que há militares que entendem que a sua opinião sobre este assunto deve estar acima da vontade das Famílias dos rapazes que Elas NOS (a nós, militares profissionais, seus ex-Comandantes e responsáveis por eles!) confiaram!

 

Mais Famílias se estão a movimentar no sentido de trazerem os restos mortais de seus Filhos, talvez porque ainda sentem dor, em vez de  complexos de "caixas de Pandora" !

   

Num país (com p minúsculo) que enviou um Falcon do Estado buscar os corpos de seis empresários que foram para as putas (não fujamos às palavras, como temos fugido da solução deste problema!), em Fortaleza (Brasil), não há meia dúzia de tostões para pagar o que as famílias estão a pagar! Tenhamos vergonha!    

 

Há quem afirme que os militares devem ser enterrados no campo de batalha e que essa é a sua maior honra! Bonita frase! Vamos já devolver para a Bosnia, Kosovo, Afeganistão, etc, os militares que ali faleceram recentemente, tendo "criminosamente" sido transportados para onde suas Famílias desejavam, é certo, mas retirando-lhes a "honra" de terem ficado enterrados no campo de batalha! Que raio de honra esta! Todos os países repatriam os seus mortos em combate no estrangeiro! Mas nós, como somos muito "avançado" em tudo,  a começar pela Constituição da República, também deveríamos ser os mais "avançados" neste aspecto e dar aos nossos mortos a "honra" de lá ficar! 

 

Ainda estamos a tempo de conseguir a identificação de muitos dos nossos militares, sem necessidade de exames de ADN. Mas cada dia que passa essas marcas desaparecem uma a uma. 

 

Errámos, todos, porque não nos apercebemos do problema há mais tempo! Mas agora que o conhecemos, não encontremos justificações comodistas para não fazer o que a seu tempo devia ter sido feito! Façamos o possível para termos uma atenção para com as Famílias que, quando ainda todos éramos jovens, nos confiaram os seus Filhos ! Ainda estamos a tempo de ter uma atitude de reconhecimento para com os militares nossos companheiros que morreram em África! Não com todos, é certo, mas façamo-lo até onde ainda nos é possível! 

 

E se uma Caixa de Pandora se abrir, que se abra! O DEVER está acima de tudo! E se se abrisse, naturalmente até era bom para o País! Piorar, ele já não consegue mesmo! `

 

E não deve haver a preocupação da discrição, como tenho ouvido! Os Canadianos e os Australianos e certamente os outros Povos, em vez de discrição, fazem com que todo o País tenha conhecimento do que se passou nas guerras em que combateram, e é assim que a sua juventude conhece a sua História contemporânea! Será que alguns dos meus camaradas consideram ser  vergonha ter combatido em África e ter aí morrido pelo seu País? Não seria de publicitar isso o máximo possível para que os jovens o soubessem? Será que alguém se envergonha do que se passou? Não se queixem depois de que os temas militares não interessam à imprensa! E de que os jovens não sabem para que servem as Forças Armadas! Tremendos erros que temos feito! 

 

É urgente exigir do Governo, que este forneça à LIGA DOS COMBATENTES os meios necessários para que esta rapidamente translade para local seguro os restos mortais dos militares ainda identificáveis pelas suas campas, e cujas marcas desaparecem cada dia que passa! Bem como dotar a LIGA dos meios que permitam a transladação para Portugal dos militares cujas Famílias o desejem (E apenas destas!).   

 

Caso seja militar do QP e concorde comigo, peço-lhe divulgue esta ideia. 

 

José Alberto de Moura Calheiros, Cor Inf Paraq na Sit Reforma

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As imagens 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© UTW online desde 30Mar2006

Traffic Rank

Portal do UTW: Criado e mantido por um grupo de Antigos Combatentes da Guerra do Ultramar

Voltar ao Topo